Destaque

Quadra de areia muda rotina de moradores do Recanto das Emas

GDF já investiu R$ 1,4 milhão em equipamentos públicos para estimular a prática de esporte na cidade

O esporte vai muito além de se tornar atleta de alto rendimento. Prova disso é a felicidade das pessoas usufruindo da Arena de Areia, inaugurada na semana passada, na Quadra 107 da Região Administrativa do Recanto das Emas. Construído com recursos totais de R$ 219 mil, o espaço tem iluminação, calçadas com acessibilidade e arquibancadas. É um ponto estratégico de atração de pessoas da cidade e de outras que gostam de praticar esportes como vôlei de praia e futevôlei, entre outras modalidades.

Presidente do Conselho Comunitário de Esportes do Recanto das Emas, Edglei Leite da Silva acredita que a obra vai estimular o desenvolvimento social da comunidade.

“Costumo dizer que no esporte não há gasto, mas, sim, investimento. Investindo em esporte, nós vamos ajudar a diminuir as filas nos hospitais, por exemplo”, diz a secretária Giselle Ferreira

“Estamos sempre acompanhando a família das pessoas que estão aqui. Incentivamos o esporte, mas tem que ter nota boa na escola, estar sempre buscando emprego para o cidadão ficar mais completo”, explica. “Esse governo foi o que mais investiu em equipamentos esportivos dentro da comunidade. Aqui no Recanto, podemos oferecer esporte a quem tem de 5 a 80 anos de idade. Sempre com manutenção para estar tudo funcionando.”

A secretária de Esporte, Giselle Ferreira, destaca a importância que o GDF dá para o setor como forma de inclusão social. “Costumo dizer que no esporte não há gasto, mas, sim, investimento. Investindo em esporte, nós vamos ajudar a diminuir as filas nos hospitais, por exemplo. Estou muito feliz porque o governador Ibaneis Rocha é um amigo do esporte, ele acredita que é uma ferramenta transformadora de vidas, que desvia de caminhos negativos, como o uso de drogas”.

Só no Recanto das Emas, o governo investiu R$ 1,4 milhão em reformas e construções de equipamentos voltados à prática de esportes. O administrador da cidade, Carlos Dalvan, elogiou o apoio. “O investimento do GDF no esporte tem como intuito melhorar a qualidade de vida do cidadão ao propiciar incentivo para o bem-estar social de todas as faixas etárias”, afirma.

Inclusão social

A satisfação da comunidade com a arena é visível. Diariamente, após as 16h, o local é ocupado por pessoas de todas as idades. “Ajuda muito na união da nossa comunidade, além de permitir que a gente jogue nosso futevôlei, paixão antiga minha, mas antes eu tinha que ir a outras regiões e nenhuma tem um espaço com essa qualidade. Principalmente de graça”, comentou Wallysson Araújo, 27 anos, estoquista.

Ele ainda fala sobre o benefício de um espaço como ferramenta de inclusão social. “A galera está aqui se divertindo com esporte, em vez de estar usando drogas, bebendo em distribuidoras, junto com familiares e amigos. Antigamente só tinha espaço para o futebol, agora estamos cheio de opções aqui no Recanto”, concluiu Wallysson.

“Isso faz com que nós fiquemos ainda mais unidos, fazendo o que gostamos. Sempre fui fã de futevôlei, mas jogava mais futebol por falta de opção mesmo. Agora ficou perfeito”, afirma o frentista Hugo de Souza

Raydner Alves do Nascimento, 31 anos, autônomo, corrobora com a ideia de Wallysson quanto à importância de centros esportivos para a vida dos cidadãos.

“Eu só conseguia usar arenas com areia alugadas e não era aqui na região. O esporte é a melhor forma de as pessoas fugirem das coisas negativas, como a bebida alcoólica e as drogas”, disse, para em seguida finalizar dando um exemplo de vida: “Se eu estudei e trabalho hoje em dia, é porque sempre pratiquei esportes, desde criança. Ajuda demais a ver que podemos nos divertir de forma saudável.”

Encantado com o local, o frentista Hugo de Souza, 29 anos, nem precisava falar muito para mostrar o tanto que estava feliz enquanto praticava esporte com os amigos e via a comunidade ao redor, na arquibancada. “Isso faz com que nós fiquemos ainda mais unidos, fazendo o que gostamos. Eu poderia estar no bar agora, mas o que tento fazer é trazer amigos para o esporte. Sempre fui fã de futevôlei, mas jogava mais futebol por falta de opção mesmo. Agora ficou perfeito”, declarou.

Destaque

Postura neutra de Bolsonaro sobre invasão da Ucrânia é ‘surpreendente’, diz jornal francês

Jornais do mundo inteiro estampam notícias sobre a guerra na Ucrânia. Os países que optaram pela neutralidade nas sanções contra a Rússia têm chamado a atenção. O Brasil é um deles. De acordo com o jornal francês Libération, a postura de Jair Bolsonaro é “surpreendente”. 

“Para Bolsonaro, é exagerado considerar que o presidente russo, Vladimir Putin, está perpetrando um massacre na Ucrânia”. A publicação também salienta que uma semana antes do início da guerra, o presidente brasileiro realizou uma visita de Estado à Rússia.

O fato da América Latina estar “dividida” também chama atenção dos analistas franceses. O México, por exemplo, também optou pela neutralidade. Já a Venezuela considerou um “crime” as sanções contra a Rússia.

Política do cerrado com informações da RFI

Destaque

MP diz que não vê elementos de propaganda antecipada de Bolsonaro contra Lula

Posicionamento foi enviado nesta quarta (2) pela Procuradoria-Geral Eleitoral ao Tribunal Superior Eleitoral.

A Procuradoria-Geral Eleitoral afirmou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quarta-feira (2) que não viu elementos que indiquem que o presidente Jair Bolsonaro (PL) fez propaganda eleitoral antecipada durante um evento no Palácio do Planalto em janeiro, quando ele falou sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O PT acusa o presidente de ter realizado propaganda eleitoral antecipada durante uma cerimônia de lançamento de linhas de crédito para aquicultura e pesca, realizada em janeiro.

Na oportunidade, Bolsonaro disse que Lula estaria “loteando ministérios” para organizar sua campanha e que uma eventual eleição do petista seria o retorno do “criminoso” à “cena do crime”. O evento foi transmitido pela TV Brasil (que pertence à EBC – Empresa Brasil de Comunicação), como é de praxe nos eventos dos quais participa o presidente.

Na manifestação ao TSE, o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet Branco, disse que as frases de Bolsonaro não têm o potencial de influenciar o cenário eleitoral.

As frases ressaltadas pela representação são isoladas e de curta extensão, no contexto do discurso proferido. A representação nada apontou de reprovável no período de mais de meia hora do evento que antecedeu ao pronunciamento das frases curtas contra as quais o Partido representante objeta. Essas palavras se mostram episódicas e avulsas”, afirmou.

Para Gonet, não há manifestações de Bolsonaro que necessite a intervenção da Justiça Eleitoral. “O parecer não vislumbra nas solitárias passagens do discurso em exame o elemento do conteúdo eleitoral significativo do ponto de vista punitivo, que justifique a atuação da jurisdição eleitoral.”

A CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto pela TV e por nossas plataformas digitais.

Política do cerrado com informações da CNN Brasil

Destaque

Samambaia e Recanto das Emas vão ganhar reforço da rede de energia elétrica

Terracap abre licitação para os serviços em duas quadras. Prazo para entrega de propostas vai até 9 de março, mesmo dia da realização do certame.

As quadras QN 502, em Samambaia, e QD 113, no Recanto das Emas, receberão obras de complementação de infraestrutura de energia elétrica. Na última terça-feira (15), a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) publicou edital para contratação de empresa especializada nas obras. A licitação será realizada no dia 9 de março, às 10h.

O credenciamento do representante e a entrega dos envelopes devem ser feitos também até o dia 9 de março, às 9h. O valor total estimado da contratação é de R$ 396,7 mil.

As obras são necessárias uma vez que o sistema de energia elétrica pública é parte integrante da infraestrutura básica dos parcelamentos do solo urbano.

As empresas interessadas em participar da concorrência já podem fazer o download do edital por meio do site da Terracap, na seção Licitações Compras/Serviços. Para acessar os demais documentos referentes à Licitação Presencial nº 1/2022, basta clicar neste link.

Mais informações podem ser obtidas no call center da Terracap, no número (61) 3342-1103, ou via chat online, disponível no portal da agência. O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h.​

*Com informações da Terracap

Destaque

Brasília tem tudo pra ser a capital do esporte

A passagem de grandes eventos nacionais e internacionais pelo DF soma-se às ações e mobilização de programas de prática esportiva e reforma de equipamentos públicos.

Capital de todos os brasileiros, Brasília trabalha para ser também a capital do esporte no país. Neste caminho para atrair mais competições em meio à concorrência de grandes centros, o Distrito Federal tem feito a sua parte ao sediar dezenas de eventos nacionais e internacionais e cuidar de seus equipamentos públicos e privados.

“Brasília já demonstrou a capacidade de sediar importantes torneios das mais variadas modalidades, além da nossa população bem receber e apoiar a movimentação da nossa economia”, diz a secretária de Esporte e Lazer, Giselle Ferreira

Nos últimos três anos, o DF sediou competições importantes, como o Grand Slam de Judô, uma edição do UFC, partidas da Copa Libertadores e da Supercopa de futebol, os Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) e o Sul-Americano de Voleibol Masculino.

Em 2022, não será diferente. A final da Copa Sul-Americana de futebol será disputada no Estádio Nacional Mané Garrincha. O ano também será de muita velocidade, com a volta dos carros à pista do Autódromo de Brasília, que será reaberto após oito anos.

Estamos mapeando as possibilidades de eventos esportivos de grande porte para trazê-los para a nossa cidade. Brasília já demonstrou a capacidade de sediar importantes torneios das mais variadas modalidades, além da nossa população bem receber e apoiar a movimentação da nossa economia”, aposta a secretária de Esporte, Giselle Ferreira.

Eventos para todos

Mesmo em um cenário de pandemia de covid-19 há quase dois anos, os eventos esportivos marcaram presença no DF. Em 2021, por exemplo, a capital voltou a sediar os Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), competição que havia 15 anos não passava por aqui. Os JUBs movimentaram R$ 12 milhões na economia local e geraram 500 empregos, destacando a sua força.

Em 2021, por exemplo, a capital voltou a sediar os Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), competição que havia 15 anos não passava por aqui

Dentro das quadras, a bola rolou para os campeonatos Sul-Americano de Clubes de Voleibol Feminino e Sul-Americano de Voleibol Masculino, este com a participação da seleção brasileira. Brasília também foi palco do principal evento de beach tennis das américas, o ITF Sand Series, com a participação de atletas internacionais. No Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek, as quadras de futevôlei abrigaram a 7ª edição do Circuito Praia do Cerrado, o maior do Centro-Oeste.

Outros eventos importantes, como o Ultimate Fighting Championship (UFC), o Grand Slam de Judô 2019, o Sul-Americano de Jiu-Jitsu Pro, a Copa do Mundo Sub-17 de futebol, a Liga das Nações de Vôlei Feminino e Masculino também marcaram presença na capital.

Presidente da Arena BSB – responsável pela administração do Estádio Mané Garrincha e do ginásio Nilson Nelson –, Richard Dubois aposta em um grande número de partidas de futebol, basquete e vôlei e até eventos internacionais para a cidade em 2022.

No âmbito de espaços para prática esportiva, o DF mantém o Centro de Excelência em Esporte, em Taguatinga, onde são ofertadas 1,5 mil vagas para crianças e adolescentes

Brasília também está no páreo para receber eventos em outros esportes, como adianta Dubois. “Temos o Brasília Basquete atuando na Arena BRB Nilson Nelson e com um público crescente, e a seleção brasileira de basquete deve jogar aqui. Estamos negociando ainda para trazer um time da NBA para fazer um jogo de demonstração, se não para este ano, no próximo. A etapa brasileira do Mundial de Vôlei deve ser aqui e estamos negociando o Brasil Open de Tênis”, complementa.

Sobre a parceria com o Governo do Distrito Federal (GDF), o gestor da Arena BSB acredita que 2022 será de grandes eventos. “Tenho certeza que com a parceria do GDF será um ano de grandes realizações. Temos uma parceria muito boa e agradeço a boa disposição da administração direta, principalmente das secretarias envolvidas conosco: Esporte, Turismo e Segurança Pública”, finaliza.

Democratização do esporte

Tornar-se a capital do esporte não é um objetivo que o GDF busca somente por meio de eventos. Esse trabalho também se concentra em projetos, programas e ações para o apoio e o fomento do esporte amador e profissional.

“A democratização da prática esportiva é uma das maiores metas da nossa gestão. Desenvolvemos projetos voltados para o esporte de base e amador, porque sabemos a necessidade de levar à população das regiões administrativas do DF mais qualidade de vida, socialização e saúde”, acrescenta Giselle Ferreira.

No Parque da Cidade, há previsão de construção de um complexo esportivo para prática de skate

Com o foco na inclusão social por meio das práticas esportivas, os centros olímpicos e paralímpicos (COPs) são um bom exemplo disso. Eles funcionam em 12 regiões administrativas e chegam a somar 62 mil vagas com atividades para crianças, adolescentes e idosos, incluindo o futebol feminino, que passou a ser ofertado.

Este ano, nove COPs estarão funcionando com 100% de suas capacidades: Brazlândia, Estrutural, Recanto das Emas, Santa Maria, Gama, Planaltina, Samambaia, Riacho Fundo e São Sebastião. As unidades de Ceilândia – P Norte e Setor O – e Sobradinho ainda estão em fase de conclusão do chamamento público para a seleção das instituições sem fins lucrativos que serão responsáveis pelo gerenciamento dos centros.

Ainda no âmbito de espaços para a prática esportiva, o DF mantém o Centro de Excelência em Esporte, em Taguatinga, onde são ofertadas 1,5 mil vagas para crianças e adolescentes praticarem esportes.

Com o foco na inclusão social por meio das práticas esportivas, os centros olímpicos e paralímpicos (COPs) são um bom exemplo disso. Eles funcionam em 12 regiões administrativas e chegam a somar 62 mil vagas com atividades para crianças, adolescentes e idosos, incluindo o futebol feminino, que passou a ser ofertado.

Este ano, nove COPs estarão funcionando com 100% de suas capacidades: Brazlândia, Estrutural, Recanto das Emas, Santa Maria, Gama, Planaltina, Samambaia, Riacho Fundo e São Sebastião. As unidades de Ceilândia – P Norte e Setor O – e Sobradinho ainda estão em fase de conclusão do chamamento público para a seleção das instituições sem fins lucrativos que serão responsáveis pelo gerenciamento dos centros.

Ainda no âmbito de espaços para a prática esportiva, o DF mantém o Centro de Excelência em Esporte, em Taguatinga, onde são ofertadas 1,5 mil vagas para crianças e adolescentes praticarem esportes.

Política do Cerrado com informações da Agência Brasilia de comunicação

Destaque

PT FAZ REUNIÃO COM DIREÇÃO NACIONAL PARA DEBATER ELEIÇÃO NO DF

O Deputado Federal José Guimarães, PT/CE, membro do Grupo de Trabalho Eleitoral do Diretório Nacional, recebeu nesta quarta-feira uma comissão de dirigentes do PT do Distrito Federal para ouvir as informações sobre o processo de preparação do Partido para a eleição deste ano.

Os dois pré-candidatos a governador, Geraldo Magela e Rosilene Corrêa, estavam juntos com o Presidente Jacy Afonso, o Vice-Presidente Wilmar Lacerda e a Deputada Distrital Arlete Sampaio.

Na reunião, o Deputado José Guimarães esclareceu que todas as decisões devem estar orientadas pela campanha de Lula e que a Executiva Nacional está acompanhando todos os estados. Assumiu o compromisso de que  o diálogo será intenso e permanente para que os estados possam ajudar na campanha presidencial.

Os dois pré-candidatos e os representantes do PT local afirmaram que querem ajudar na campanha de Lula e estão trabalhando para formar uma aliança com outros partidos de esquerda, inclusive com a possibilidade da federação partidária com PV, PCdoB e PSB.

Ao final ficou acertado que a direção nacional orientará todos os estados e o DF para possibilitar que o processo de decisão seja adotado no prazo mais curto possível. A direção local deve conversar com a direção nacional antes de tomar qualquer decisão sobre a tática eleitoral.

“Foi uma reunião muito importante porque foram apresentadas todas as orientações da Executiva Nacional de forma clara. Vamos decidir juntos!”, ressaltou Geraldo Magela.

“Vamos preparar o PT para derrotar Bolsonaro e Ibaneis de uma vez. Afinal, eles são dois lados da mesma moeda”, completou Magela.

O Diretório Regional se reunirá no próximo sábado, mas nenhuma decisão será tomada sobre a tática eleitoral e o nome para disputar o GDF.

Com informações da Assessoria de Imprensa de Geraldo Magela

Destaque

Conselheiro do TCDF, André Clemente é alvo de busca e apreensão

Investigado é ex-secretário de Economia do DF. Apuração aprofunda suposto superfaturamento na contratação do Brasília Iluminada.

O gabinete do conselheiro André Clemente, no Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), é alvo de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira (2/2). A casa do ex-secretário de Economia do DF, no Sudoeste, também voltou a ser alvo dos investigadores, que apuram o suposto superfaturamento na contratação do Brasília Iluminada.

Os mandados judiciais são cumpridos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), e pelo Departamento de Combate à Corrupção (Decor), da Polícia Civil. A ação foi batizada de Operação Tenebris. Também são investigados a chefe de gabinete de Clemente, Edileide Oliveira Santos, e o presidente do Instituto Idheias, Geraldo Marcelo Sanches.

Veja como foi a Operação Tenebris:

A primeira fase da investigação foi deflagrada em 25 de janeiro. As investigações apontaram uma série de irregularidades no processo de contratação do Instituto Idheias para a realização do evento, o qual previa a ornamentação do canteiro central da Esplanada dos Ministérios e do Eixo Monumental, além da promoção de atividades culturais.

Confira imagens da instalação da estrutura:

A suspeita é que a empresa, que detém formalmente a condição de Organização da Sociedade Civil, tenha sido utilizada como fachada, apenas para permitir a contratação sem licitação e, posteriormente, terceirizar quase na íntegra a execução dos serviços para companhias que lucraram com o contrato. Entre as empresas beneficiadas, estão a Mark Systems e a Primer Serviço de Comunicação e Eventos.

Esquema

De acordo com as apurações, entre 2020 e 2021, o empresário Marconi José de Souza Barros foi o responsável por sanar dúvidas do projeto de iluminação de Natal – proposta que seria, supostamente, do próprio Idheias. Ou seja, embora atue no setor de promoção de eventos com o objetivo de obter lucro, seja o proprietário da Mark Systems e tenha uma filha como dona da empresa Primer, Marconi foi qualificado como responsável pelo Brasília Iluminada do ano passado, mesmo não integrando o instituto formalmente contratado para prestar o serviço.

Com o projeto aprovado, o Idheias e Marconi contrataram a Primer, que pertence à filha do empresário, Marcela Pupe. Na prática, ela recebeu mais de 53% dos mais de R$ 9 milhões destinados ao evento no ano passado.

Outras pessoas da família Pupe foram contratadas para o Brasília Iluminada de 2020. Segundo as investigações, esse fato consiste em mais uma evidência de favorecimento de pessoas físicas e jurídicas vinculadas a Marconi.

Além de identificar esse possível direcionamento, o Gaeco destaca que a edição anterior do evento está cercada de indícios de superfaturamento dos serviços prestados e por falhas na prestação de contas. Tais irregularidades sugerem, inclusive, que o projeto não foi entregue nas condições previstas no contrato.

As suspeitas fizeram com que o Ministério Público de Contas do DF ingressasse com uma representação perante o Tribunal de Contas, com o intuito de auditar a contratação e reparar os prejuízos causados na primeira edição do evento.

O MPC, nesse trabalho, chegou a ressaltar que, em 2019, ainda sem o alastramento da pandemia no país, foram gastos pouco mais de R$ 2 milhões com ornamentação natalina e eventos. Já no curso da pandemia e com inúmeras restrições vigentes, no fim de 2020 e início de 2021 – quando o evento foi contratado pela primeira vez –, o gasto saltou para os mais de R$ 9 milhões.

Os promotores chamam a atenção para o fato de que esse esquema foi implementado na virada de 2020 para 2021 e, mesmo tendo sido alvo de questionamentos por parte do Ministério Público de Contas, ocorreu novamente nas festividades do fim de 2021 e início de 2022.

O então secretário André Clemente liderou a contratação e defendeu publicamente o evento. As investigações apontam, no entanto, que o ex-secretário já havia atuado informalmente como responsável pela primeira edição do evento, mesmo estando a contratação sob responsabilidade da Secretaria de Turismo.

Vizinhos

Para os promotores, havia interesse pessoal da Secretaria de Economia em tocar o projeto. As apurações revelaram outro fato que parece comprometer ainda mais a lisura do processo de contratação: André Clemente reside exatamente no mesmo bloco e na mesma prumada que o investigado Marconi José, no Setor Sudoeste, o que aponta para uma proximidade entre os dois e para o beneficiamento indevido das empresas da família Pupe.

O Ministério Público indica, ainda, que violando as determinações legais e regulamentares, o processo de contratação e o acompanhamento simultâneo dos gastos do evento de 2020 não foi disponibilizado na internet para que a população e os órgãos de controle fiscalizassem o trâmite.

A contratação ocorreu sem a observância de prazos e de exigências legais. Também foram reunidas provas de que a montagem das estruturas do Brasília Iluminada realizada entre 2021 e 2022 foram entregues fora do prazo estipulado.

Emendas parlamentares

De acordo com as investigações, existem indícios de irregularidades também na tramitação das emendas parlamentares que destinaram os recursos para a última edição do evento.

Uma semana após a aprovação do nome de André Clemente para o Tribunal de Contas do DF (TCDF), 17 deputados distritais decidiram remanejar recursos para o evento, cancelando o empenho de gastos com educação e outras ações prioritárias, no curso de um processo de votação acelerado e com a realização dos dois turnos de votação necessários em poucas horas.

Brasília Iluminada

Neste ano, a estrutura de decoração montada no centro da cidade no período de Natal custou, aproximadamente, R$ 14 milhões. O montante corresponde a um aumento de 42% em comparação com 2020. À época, o valor ficou na casa dos R$ 9 milhões.

O Tribunal de Contas do DF informou, em nota, que “tomou conhecimento da Operação Tenebris por meio da imprensa nesta terça-feira. O TCDF está acompanhando os desdobramentos dessa operação e, como ela envolve um de seus membros, vai solicitar informações ao Poder Judiciário.”

André Clemente emitiu, no fim da manhã desta terça (25/1), um comunicado público após ser alvo da operação do MPDFT. Clemente alegou que a ação “foi uma fraude arquitetada por atores de um jogo político sujo desde que meu nome surgiu para a vaga do Tribunal de Contas do DF”.

Destaque

As fake news que alimentam o racismo

Essa é uma matéria bem atual e que vale a pena ler porque é um dos opilares da campanha que está por vir. A matéria foi publicada no site da agencia de notícias alemã que dw brasil.

 Além de comprovar que a Terra é redonda e defender o “Zé Gotinha”, no Brasil também se tornou necessário vociferar que a escravidão existiu e foi profundamente violenta e que não, não existe racismo reverso.

Não é de hoje que fake news invadem nosso cotidiano.

No início, elas pareciam ser mais uma brincadeira de mau gosto, fanfarronices da famosa “galera do fundão”, que viam nessas notícias falsas uma forma de “descontração”. Entretanto, rapidamente as fake news revelaram sua verdadeira face: uma forma espúria e perigosa de fazer política, usada a serviço de um projeto de sociedade muito bem delineado.

Em meio a notícias falsas, eleições foram definidas, e a ciência passou a ser abertamente confrontada por uma enxurrada de mentiras, que repetidas, compartilhadas e retuitadas à exaustão se tornaram verdades para um número significativo de pessoas.

Tudo isso misturado à onda egoico-narcisista potencializada pelas redes sociais, que permite que indivíduos transformem suas opiniões (muitas vezes infundadas) em verdades incontestáveis. “O que eu penso, o que eu acho” tem valido mais do que séculos de conhecimento acumulado. Uma dinâmica perigosa, que coloca à prova a vida coletiva.

Terraplanistas de plantão – que, é preciso dizer, sempre existiram – tiveram suas vozes amplificadas, disputando com astrônomos e astrofísicos qual seria o verdadeiro formato do planeta Terra. O movimento antivacina cresceu de maneira assombrosa, justamente quando a humanidade foi sangrada por uma pandemia que parece não ter fim – e mesmo com vacinas eficientes disponíveis para boa parte da população.

Mas não são apenas as chamadas ciências duras que estão sendo injuriadas pelas fake news. Dinâmicas sociais, relações de poder e fatos históricos também entraram nesse balaio das notícias que são falsas e propositadamente mentirosas. E, como era de se esperar de um país formado pela desigualdade e exclusão racial, no Brasil, o racismo também se tornou um desses temas passíveis de terem sua existência questionada. Além de comprovar que a Terra é redonda e defender o “Zé Gotinha”, por essas bandas também se tornou necessário vociferar que a escravidão existiu e foi profundamente violenta e que não, não existe racismo reverso.

É profundamente cansativo ter que lidar com essa dinâmica negacionista. E o cansaço não se dá pela suposta falta de informação daqueles que propagam as fake news. Não estamos numa cruzada educativa, combatendo a ignorância gestada por décadas. Estamos tendo que nos posicionar e confrontar um projeto político que se aproveita da desinformação de muitos para perpetuar uma sociedade cada vez mais desigual. Um país que precisa voltar a combater a fome e o medo dela. Que precisa repensar e viabilizar a vida dos jovens, ao mesmo tempo que deve assegurar a dignidade dos aposentados. Um país que precisa parar de destruir suas florestas e rios, caso queria continuar a existir num futuro próximo. Um país que continua matando a torto e a direito a sua população negra e mestiça, nessa política de morte abertamente instaurada. 

Nesta semana, dois episódios ganharam significativa repercussão. O primeiro deles foi um artigo sem nenhum tipo de fundamentação científica, que defendia que negros podiam sim ser racistas contra brancos, validando a existência do racismo reverso. O outro foi uma fala infeliz de uma “nova celebridade” de reality show argumentando que a escravização de africanos nas Américas se deveu à sua maior eficiência, que por sua vez, era consequência da maior força física das populações negras que viviam na África.

Não me interessa tanto discutir as autorias dessas falas, que foram muito bem criticadas ao longo da semana. Mas sim chamar a atenção para o fato de ambas terem sido divulgadas em dois dos maiores veículos de comunicação do país, que, em tese, se apresentam como apoiadores da luta antirracista e combatentes das fake news. Qual é o ganho em propagar em rede nacional ideias e premissas falsas sobre a lógica do racismo e a justificação da escravização de africanos?

Muitos diriam que esse tipo de artigo e de fala geram polêmica, o que significa lucro para os dois veículos. E tais pessoas estão cobertas de razão. Mas é preciso ir além. Porque essa polêmica sempre tem endereço certo: a desqualificação dos movimentos negros e a diminuição do peso estrutural do racismo. Há uma liberdade outorgada em desqualificar a luta antirracista sob o manto de um debate democrático que nunca existiu.

Fake news sustentam o ideal de mundo ultraconservador, que dentre outras coisas, alimenta a estrutura racista que há tanto nos ordena. Propagá-las, sob qualquer pretexto, é abraçar uma terra plana, na qual a humanidade continua sendo enxergada de forma desigual e hierarquizada.

Mestre e doutora em História Social pela USP, Ynaê Lopes dos Santos é professora de História das Américas na UFF. É autora dos livros Além da Senzala. Arranjos Escravos de Moradia no Rio de Janeiro (Hucitec 2010), História da África e do Brasil Afrodescendente (Pallas, 2017) e Juliano Moreira: médico negro na fundação da psiquiatria do Brasil (EDUFF, 2020), e também responsável pelo perfil do Instagram @nossos_passos_vem_de_longe.

O texto reflete a opinião da aut
ora, não necessariamente a da políticadocerrado.

Destaque

Primeira deputada negra do Brasil é reconhecida como doutora

Quase 70 anos após sua morte, educadora Antonieta de Barros é homenageada em Santa Catarina. Para pesquisadora, lembrar seu legado é importante num contexto “racista, sexista e conservador”.

Há reconhecimentos que custam a chegar. No caso de Antonieta de Barros (1901-1952), o título universitário foi concedido quase 70 anos após a sua morte — para ativistas, uma reparação histórica. Em dezembro, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) passou a considerá-la doutora honoris causa, in memoriam.

Mulher negra atuante em um contexto de segregação racial e pouco espaço para o ativismo feminino, Antonieta de Barros não se limitou a uma só atividade. Foi jornalista, escritora, educadora, militante política.

“Trazer o legado de uma mulher negra como Antonieta e torná-la doutora honoris causa na UFSC significa recontar parte da luta das mulheres negras neste estado ainda tão racista, sexista e conservador“, afirma a educadora Joana Célia dos Passos, professora na universidade. “Significa questionar a narrativa de que Santa Catarina se fez hegemonicamente pelo trabalho dos imigrantes europeus.”

“Antonieta de Barros tem importância fundamental na memória política, cultural e histórica de Santa Catarina”, avalia Eliane Debus, professora no Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Educação da UFSC e autora do livro infantil Antonieta, que conta a trajetória da educadora. “Não estamos falando de resgate [histórico]. Aqui vale a palavra ‘construção’. Construção de uma história para não se perder na memória.”

Militante pela educação

Nascida em Florianópolis, Antonieta era filha de uma lavadeira, escrava liberta, com um homem sobre quem pouco se sabe — pode ter sido funcionário dos correios e músico, conforme diz a pesquisadora Jeruse Romão em seu livro Antonieta de Barros: professora, escritora, jornalista, primeira deputada catarinense e negra do Brasil.

Viúva quando a menina ainda era criança, sua mãe alugava cômodos para estudantes para garantir o sustento. E foi assim que Antonieta acabou se alfabetizando. De acordo com o dossiê apresentado à UFSC como justificativa para a homenagem recém-realizada, ela “sentiu em sua infância e juventude o que significava ser mulher negra e pobre, num estado do sul do Brasil, majoritariamente branco e com forte adesão à eugenia como política social”.

Logo, tornou-se ela própria uma militante pela educação, entendendo que só com acesso aos estudos as minorias poderiam experimentar alguma ascensão social.

No início dos anos 1920, fundou o Curso Particular Antonieta de Barros, destinado a alfabetizar marginalizados. Foi diretora do jornal A Semana e do periódico Vida Ilhoa — seus artigos se pautavam pela crítica ao racismo e a defesa do empoderamento feminino.

Em 1934, no primeiro processo eleitoral brasileiro em que mulheres puderam votar e serem votadas, ela concorreu a uma cadeira na Assembleia Legislativa do estado pelo Partido Liberal Catarinense. Acabou como suplente.

Entre 1935 e 1937 assumiu o cargo. Tornou-se então a primeira mulher negra brasileira a ocupar um mandato eletivo, sendo a primeira deputada estadual no Brasil e também a primeira negra no parlamento catarinense, também conforme texto apresentado pela UFSC.

Ela voltaria a ser suplente na década seguinte, desta vez pelo Partido Social Democrático (PSD), assumindo novamente a vaga na assembleia estadual em 1948 — mais uma vez, uma presença feminina solitária no parlamento.

Seus mandatos no Legislativo foram pautados por questões referentes à educação. Ela apresentou um projeto de lei para criar um concurso para o magistério, foi autora de projeto buscando a criação de um dia em comemoração ao professor e, em plenário, defendeu uma maior estruturação da carreira de docência no estado, regulamentando cargos como os de diretor e inspetor escolar.

Também apresentou projeto de lei prevendo mais acesso das mulheres a conteúdos curriculares e defendeu a criação de ginásios, como política pública, para ampliar os anos escolares das populações mais pobres.

Valorização do legado

“Antonieta foi uma mulher negra, filha de pais que haviam sido escravizados. Professora, escritora, primeira mulher em Santa Catarina e primeira mulher negra no país a assumir um cargo público, era alguém de força e coragem”, avalia Debus.

Acreditamos que o silêncio sobre as narrativas a respeito de mulheres negras precisa ser quebrado. Devemos fazer muito som e reverberar as histórias do protagonismo negro em Santa Catarina.”

É nesse contexto que a própria Debus lançou o livro Antonieta, com a biografia da educadora contada de uma maneira atrativa para o público infantil. “[A obra] se configura como uma possibilidade alargada de desenvolver práticas de leituras literárias antirracistas”, diz.

Diversos esforços vêm sendo colocados em prática nos últimos anos para promover uma valorização da história e do legado de Antonieta. Em 2019, por exemplo, o centro de Florianópolis ganhou um mural imenso com o retrato da personalidade.

A obra, assinada pelos artistas Thiago Valdi, Tuane Ferreira e Gugie, mede 32 metros de altura e 9 metros de largura.

Destaque

Na crise do Centrão com Bolsonaro, todos preferem culpar Flávia Arruda

A única mulher no núcleo ministerial do Planalto se tornou alvo conveniente na crise do Centrão com o seu candidato à reeleição, fragilizado nas pesquisas

É possível que Flávia Arruda saia da chefia da Secretaria de Governo de Jair Bolsonaro antes de comemorar o aniversário de 42 anos, no próximo dia 21. Vai depender de uma conversa com Bolsonaro, ainda sem previsão de saída da internação no hospital em São Paulo.

A ministra de Governo está fritando numa curiosa conspiração palaciana que une políticos da família presidencial os líderes de frações do MDB, do PP, dos Republicanos e do seu partido, o PL.

Como ela, todos integram o Centrão, esteio parlamentar de Bolsonaro, cujo silêncio foi eloquente diante da evolução das intrigas na família, no Planalto e no Congresso nos últimos dois meses.

Flavia Arruda é nome de urna da ministra Flávia Carolina Péres, empresária, advogada, deputada federal e provável candidata ao Senado em Brasília pelo PL.

Emprestou o sobrenome do marido, José Roberto Arruda, quando entrou na política sete anos atrás. Aconteceu uma emergência familiar, em 2014, quando a Justiça impediu a candidatura de Arruda, ex-governador do Distrito Federal, condenado por corrupção no caso conhecido como Mensalão do DEM.

No improviso da composição eleitoral, foi candidata a vice-governadora do DF, perdeu e se elegeu deputada-federal na maré bolsonarista de 2018. Passou dois anos na Câmara em comissões especializadas em direitos femininos. Virou ministra ano passado, quando Bolsonaro entregou o governo ao Centrão.

Como o antecessor na Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ela parte despacha das requisições de deputados e senadores do Centrão e da oposição no orçamento paralelo.

São previstos R$ 15 bilhões para este ano. Foram R$ 33 bilhões entre 2020 e 2021, mas sobre esse oceano de dinheiro público quase nada se sabe — “inexiste documentação”, informaram ao Supremo, por escrito, aos presidentes do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PL-MG), e da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL).

Parlamentares governistas se mostram impacientes com atrasos no financiamento federal de projetos que consideram relevantes nesta temporada eleitoral.

Há meses reclamam de pendências que somam R$ 500 milhões. Não se queixam de Bolsonaro nem de Paulo Guedes, guardião da caixa e do orçamento. Preferem culpar o chefe da Secretaria de Governo.

Na quinta-feira 9 de dezembro, ela atendeu um telefonema do senador amazonense Eduardo Braga. Aos 61 anos, 35 deles em mandatos eletivos, o líder do MDB cobrou como verbas atrasadas aos berros, insultando a ministra. Chorando, ela passou o telefone ao chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, com quem Braga conversou calmamente.

Ela comentou, horas depois: “O episódio, infelizmente, demonstra que o machismo atrasado ainda resiste às mulheres que assumem posições relevantes na política brasileira”.

Desde então, como críticas de líderes do Centrão só aumentaam. A partir do réveillon, como queixas sobre atrasos foram convertidas em “desamarmes”, na expressão mais suave usada por parlamentares governistas em conversas nas redes privadas.

O motivo: o ano de 2021 terminou com meio bilhão de reais pendentes e, pelas regras do orçamento, vai ser difícil recuperar essa dinheirama no plano fiscal para este ano.

Ninguém sabe explicar como e porque aconteceu, mas todos preferem culpar Flávia Arruda.

A única mulher no núcleo ministerial do Palácio do Planalto se tornou um alvo conveniente na crise que emerge entre os líderes do Centrão e Bolsonaro, candidato ao repojetivo fragilizado nas pesquisas de intenção de voto. “Já não é só por R$ 500 milhões”, ironiza um deputado governista.

Destaque

Os bastidores da briga dos evangélicos pelo comando da bancada

O clima esquentou de vez entre os integrantes da Frente Parlamentar Evangélica,uma das mais numerosas e poderosas do Congresso Nacional, sobretudo no governo de Jair Bolsonaro (PL), que tem na comunidade uma de suas principais bases de apoio. O motivo é o sucessão no comando da Frente, hoje presidida pela deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), em pleno ano eleitoral. Nos últimos dias, documentos, ataques e vídeos circularam pelo WhatsApp de parlamentares e pastores. O pano de fundo é uma disputa entre setores da Assembleia de Deus: de um lado, Ministério Madureira, do bispo Samuel Ferreira, e de outro, Vitória em Cristo, do pastor Silas Malafaia.

A última eleição para o comando da Frente foi em dezembro de 2020, ocasião em que se apresentou como candidatos os deputados Cezinha de Madureira, ligado a Samuel Ferreira, e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), próximo de Malafaia. Na assembleia geral, registrada em um ata que virou a razão da história – e a reprodução está circulando entre os parlamentares evangélicos –, “houve um entendimento entre os candidatos Cezinha e Sóstenes para que a eleição se desse por aclamação”. Cezinha foi então despejada presidente da Frente em 2021 e, segundo os aliados de Sóstenes, o próprio Sóstenes assumiria o posto em 2022.

Neste mês, às vésperas do esperado resm reango, circulou um vídeo do deputado Abílio Santana (PL-BA) e começou o rebuliço. Na gravação, o parlamentar diz que, se existe algum ata atestando o tal acordo, “é falso”. “Eu quero que alguém me apresente a minha assinatura”, diz Santana, exaltado, chamando o pastor Silas Malafaia de “Cínico Malafeia”.

O deputado Sóstenes rebateu. “Um ata foi registrado em cartório com a lista dos presentes. O deputado Abílio Santana não estava na assembleia geral, ele não estava presente, mas teve 35 parlamentares que assinam a ata”, afirmou Sóstenes em outro vídeo. Ele ainda acrescenta que está certo de que, em fevereiro próximo, o colega Cezinha de Madureira “estará passando a presidência da Frente Parlamentar”. A ata com como também assinaturas começou uma circular.

Pelo jeito, os próximos dias serão decisivos para o destino dos evangélicos no Congresso, e a disputa será ferrenha.

Destaque

PSB e PT fecham aliança em cinco estados, mas batalha segue em PE e SP

Logo após sair de uma reunião com o presidente do PT nesta quinta-feira, 20, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, foi às redes sociais para colocar as cartas na mesa e dizer o que começa a oferecer para viabilizar o apoio do partido à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva. O partido, que é o mais próximo do ex-tucano Geraldo Alckmin, vai apoiar candidatos petistas na Bahia,em Sergipe,no Piauí no Rio Grande do Norte. Também pode oferecer palanque no Maranhão, no vácuo da popularidade do governador Flávio Dino, e em Alagoas.

Como em toda negociação, ao dizer o que pode oferecer, o PSB avisa também o que quer em troca. Ainda há entre os dois partidos em São Paulo e em Pernambuco, estados em que as duas siglas não abrem mão de lançar candidato. “Há que se tem reciprocidade na construção da unidade política”, avisou o dirigente, na postagem, sem fazer referência a dois estados onde há entrave.

Siqueira não falou em seu tuíte, mas o PT já sinalizou apoio ao PSB em estados como Rio de Janeiro e Espírito Santo, em que candidatos pessebistas têm melhores chances. Em São Paulo, os petistas querem lançar Fernando Haddad, enquanto o PSB quer Márcio França. Em Pernambuco, a briga é entre Geraldo Julio, eventual sucessor do governador Paulo Câmara (PSB), e o senador Humberto Costa (PT).

O PSB vai apoiar candidatos petistas na BA, SE, PI e RN. Temos palanque a oferecer no MA e AL. Há que se ter reciprocidade na construção da unidade política. Vamos iniciar com o PT uma rodada de reuniões nos Estados para aprofundar o debate sobre os nomes aos governos estaduais.

— Carlos Siqueira (@csiqueirapsb) 20 de janeiro de 2022

Outras reuniões ainda devem ocorrer nas próximas semanas “para aprofundar o debate sobre os nomes aos governos estaduais”, ainda segundo Siqueira. Dirigentes das duas siglas querem formar uma federação parte, tipo de união institucionalizada no fim do ano passado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e calculam ser possível formar, no próximo governo, uma bancada de até 200 deputados.

Destaque

Quase 400 pneus recolhidos pelas ruas do Recanto das Emas

Ação do GDF Presente foi executada em locais que podem servir de criadouros do mosquito da dengue.

Com as fortes chuvas que atingiram o DF na primeira semana deste mês, as administrações redobraram os cuidados para evitar que a água fique parada. O empenho é questão de saúde pública, porque o acúmulo de água facilita a proliferação do mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. No Recanto das Emas, o GDF Presente fez a limpeza da cidade, ação que resultou no recolhimento de 370 pneus em dez quadras.

“Nesse período chuvoso, pneus expostos ao tempo são excelentes criadouros para formas imaturas do transmissor potencializam a explosão populacional desses vetores”, explica a gerente de Vigilância das Doenças Transmissíveis da Secretaria de Saúde, Kenia Cristina de Oliveira. “O recolhimento de materiais rodantes e o acondicionamento adequado, garantindo que permaneçam completamente secos, é uma ação de extrema importância que impacta na redução de transmissão de arboviroses [doenças, como a dengue, em que o vírus é transmitido por um vetor].”

Para garantir a eficácia dos serviços executados pelo Governo do Distrito Federal (GDF), é importante que a população limpe seus lotes e casas, para eliminar a possibilidade de aparecimento de criadouros do Aedes aegypti – que também transmite a febre amarela.  É o que lembra a professora do Centro de Ensino Fundamental 101 do Recanto das emas, Maria Cristina de Jesus, 44 anos.

“Não adianta somente governo fazer as ações”, alerta ela, que mora no Recanto das Emas há mais de 20 anos. “Nós, os moradores, também temos que fazer a nossa parte, limpando o quintal, verificando os ralos, higienizando os ambientes, cuidando dos potes de água e dando sempre uma boa olhada nas nossas casas”.

A professora conta que tem acompanhado as ações do governo na cidade: “Durante as minhas caminhadas diárias, eu observo muito a cidade, ainda mais agora que estou de férias. O Recanto está bem limpo, mas até as calçadas e árvores estão bem-cuidadas. A gente vê que existe uma atenção e um trabalho de manutenção nos espaços públicos”.

O administrador do Recanto das Emas, Carlos Dalvan, endossa: “A participação do GDF Presente é fundamental para manter os serviços de conservação da cidade, como o recolhimento de pneus e inservíveis espalhados pelas ruas”.  Localizada a pouco mais de 25 km da Rodoviária do Plano Piloto, a cidade tem uma população de mais de 145 habitantes, de acordo com os dados da Pesquisa Distrital por Amostras de Domicílio (Pdat) de 2015. O estudo é feito pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

Recolhimento de entulho

As ações de limpeza no Recanto das Emas incluíram também o recolhimento de galhos, inservíveis e lixo verde da cidade. Foram retiradas 78.400 toneladas de entulho das quadras 111, 115, 116, 302, 309, 406 e 600.

O trabalho contou com uma equipe de 30 pessoas. O maquinário utilizado envolveu três caminhões basculantes trucados, um caminhão toco (veículo semipesado que possui quatro pontos de contato com o solo e dois eixos – um frontal e um traseiro), um caminhão pipa, um caminhão Munck (guindaste articulado) e um caminhão carroceria, além de uma pá carregadeira.

“A parceria entre o GDF Presente e a administração do Recanto das Emas resulta em uma cidade mais limpa e melhor para a comunidade”, avalia o coordenador do Polo Sul do GDF Presente, Carlos Alberto Alves dos Santos. “Na próxima etapa, estaremos em Água Quente, uma área rural que precisa de um reforço para melhorar as condições das ruas, que sofrem com as chuvas.”

Politica do Cerrado com informações da Agência Brasilia

Destaque

Mudam itinerários do Riacho Fundo II e do Recanto das Emas

Passageiros passam a contar com linhas exclusivas para o Plano Piloto

Os passageiros do Riacho Fundo II e do Recanto das Emas vão passar a ter linhas exclusivas diretas para o Plano Piloto, a partir da próxima segunda-feira (24).  Com isso, serão alterados os trajetos de quatro linhas, enquanto outras nove terão, juntas, o reforço de 543 viagens. Atualmente, as duas cidades compartilham a mesma rede de transporte.

“Mudanças foram adotadas a partir de demandas encaminhadas pelos moradores das duas regiões”.

A Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) implementa as mudanças após pedidos dos moradores de ambas as regiões, como explica o titular da pasta, Valter Casimiro: “Atualmente, esses usuários do Recanto das Emas ficam insatisfeitos porque os ônibus precisam passar no Riacho Fundo II, enquanto os moradores do Riacho protestam que os ônibus chegam à cidade muito cheios”.

A nova operação consiste na redistribuição das linhas, para que o passageiro possa contar com um sistema mais eficiente, além de criar uma rede capaz de ampliar as opções, com ganho de tempo nos trajetos e mais conforto nas viagens.

Alterações

As linhas 0.819 e 0.871, que saem do Recanto das Emas com destino ao Plano Piloto, deixam de operar no Riacho Fundo II. Para otimizar o serviço para esses passageiros, as linhas 870.1, 0.811, 0.881, 0.882 e 0.884, todas com origem no Riacho Fundo II, vão, juntas, ter reforço de 234 viagens – 79 nos dias úteis, 89 aos sábados e 66 aos domingos.

O mesmo ocorre com as linhas 870.7, 874.4, 0.871 e 871.3, que terão 309 horários ampliados (115 nos dias úteis, 116 aos sábados e 78 aos domingos), beneficiando os usuários que saem do Recanto das Emas rumo à região central de Brasília.

Por conta dessas mudanças, as linhas 0.870, 0.874 e 871.2, que saem do Recanto das Emas para o Plano Piloto, serão desativadas.

Furnas

Duas linhas que passam pela Estação Furnas do Metrô, em Samambaia, também terão o trajeto alterado. A 806.1 passa a atender os passageiros da Etapa IV do conjunto habitacional da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab), no Riacho II, deixando de trafegar pelo Recanto das Emas. Já a 807.9 tem o itinerário alterado para beneficiar mais quadras do Recanto da Emas.

Veja aqui os novos horários e itinerários das linhas.

Usuários também podem tirar dúvidas por meio do WhatsApp (61) 98100-0088.

Confira, abaixo, detalhes das mudanças a serem implantadas a partir desta segunda-feira (24).

 Furnas

Duas linhas que passam pela Estação Furnas do Metrô, em Samambaia, também terão o trajeto alterado. A 806.1 passa a atender os passageiros da Etapa IV do conjunto habitacional da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab), no Riacho II, deixando de trafegar pelo Recanto das Emas. Já a 807.9 tem o itinerário alterado para beneficiar mais quadras do Recanto da Emas.

Veja aqui os novos horários e itinerários das linhas.

Usuários também podem tirar dúvidas por meio do WhatsApp (61) 98100-0088.

Confira, abaixo, detalhes das mudanças a serem implantadas a partir desta segunda-feira (24).

*Com informações da Secretaria de Transporte e Mobilidade

Destaque

Moro no União Brasil pode ser colega de Cunha, que mandou prender

A exemplo de Moro, Cunha negocia entrar na legenda que nascerá da fusão entre PSL e DEM.

Se o ex-juiz Sergio Moro decidir trocar o Podemos pelo União Brasil para concorrer ao Planalto, poderá ser colega de partido do ex-deputado Eduardo Cunha, que mandou prender na Lava Jato. A exemplo de Moro, Cunha negocia entrar na legenda que nascerá da fusão entre PSL e DEM.

Condenado por Moro pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva em 2016, Cunha vem conversando com interlocutores do União Brasil sobre sua possível filiação. Desde maio de 2021, após uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Cunha está fora da prisão.

Filiado ao MDB, Cunha poderá deixar a legenda para se candidatar a deputado federal por São Paulo. Sua filha, Danielle Cunha, é dada como certa no União Brasil, onde tentará uma vaga na Câmara pelo Rio de Janeiro.

Moro confirmou, em conversas com aliados, que existem negociações para sua entrada no União Brasil. A razão para Moro trocar de sigla seria financeira. Interlocutores no União Brasil afirmaram que o ex-juiz ficou assustado com o orçamento para fretar voos na campanha.

Destaque

Ricardo Vale: “Todos os contrários às barbáries fascistas devem surfar na onda Lula”

À queima-roupa/ Ricardo Vale, ex-deputado distrital e secretário de organização do PT-DF.

Matéria feita por Ana Maria Campos do correiobraziliense com o Ex-deputado Ricardo Vale.

Na sua opinião, o PT-DF deve lançar um nome próprio ao Palácio do Buriti ou negociar uma aliança para apoiar alguém de outro partido?
Estive recentemente com o Lula, a presidente Gleisi Hoffmann e lideranças como Paulo Pimenta e Paulo Teixeira. As prioridades do partido são: a derrota do fascismo e a eleição de Lula. Neste mesmo sentido, estão as prioridades do PT-DF e as definições terão essas mesmas bases.

Qual é o nome mais forte do PT? Rosilene Corrêa ou Geraldo Magela?
O nome mais forte do PT no DF é Lula. Essa definição é fundamental, primordial para qualquer tomada de decisão. Rosilene e Magela são ótimos nomes, mas estamos focando na campanha presidencial. Só ela pode devolver ao povo brasileiro e, consequentemente, brasiliense um país com menos desigualdades sociais, entre outras questões graves que enfrentamos agora.

E de outros partidos?
É de conhecimento que todos os partidos estão discutindo as suas estratégias eleitorais. O PT-DF tem dialogado com aqueles que se apresentam dentro do campo democrático e popular e esperamos construir uma forte aliança para derrotarmos a extrema direita que tanto mal tem feito ao país.

Acha que o governador Ibaneis Rocha chega forte na eleição de outubro?
Sim. Até porque é o atual governador do DF e já está sendo beneficiado pela demora nas definições das possíveis candidaturas que o enfrentarão.

Qual é a sua avaliação sobre a atual legislatura na Câmara Legislativa?
A Câmara Legislativa é fundamental para melhorar a qualidade de vida do povo do Distrito Federal, mas terá que ser reinventada na próxima legislatura, na defesa do desenvolvimento social e econômico para todos.

Você teve 7.909 votos em 2018 e não se reelegeu. Vai tentar de novo?
Vou tentar novamente, representando um Coletivo que apoia essa candidatura. Quero continuar fazendo a boa política para todo o DF. Precisamos que a Câmara Legislativa volte a debater e defender, de verdade, os problemas que afligem o povo trabalhador da nossa cidade.

A onda Lula ajuda?
Hoje, enfrentamos um governo fascista e negacionista e o povo sofre essas consequências em todos os aspectos: economia, saúde, segurança, educação. A onda Lula ajuda porque traz esperança ao povo, porque nos traz à lembrança do país que fomos e podemos voltar a ser. Neste sentido, todos os contrários às barbáries fascistas devem surfar na onda Lula, e trabalhar pela sua vitória em primeiro turno.

Política do Cerrado com informações Ana Maria Campos do correiobraziliense.

 

Destaque

PESQUISA DIVULGADA NA REVISTA VEJA: A QUEM INTERESSA?

A revista Veja publicou, com destaque nesta semana, uma pesquisa do Instituto Exata sobre a intenção de votos para Presidente da República no DF, onde Lula tem 27,1% e Bolsonaro tem 29,9%. Isso no primeiro turno.

E logo alguns petistas começaram a reproduzir esta pesquisa nas redes sociais.

Porque a revista Veja tem demonstrado tanto interesse no PT do Distrito Federal?

Em novembro o mesmo jornalista, ao publicar pesquisa de um instituto desconhecido, afirmou que o PT no DF vive um amargo ocaso.

Agora, o jornalista afirma que Bolsonaro está na frente de Lula. Mas não dá outras informações sobre a pesquisa, que parece ter sido divulgada seletivamente por quem a contratou.

O resultado de qualquer pesquisa não pode ser analisado por itens separados. Uma pesquisa precisa ser analisada no seu conjunto para possibilitar uma visão geral.

Eu soube que nesta pesquisa o índice de aprovação de Bolsonaro é de 36% e reprovação de 59%. Isso, por si só, já permite uma análise mais otimista da pesquisa.

Eu não conheço a simulação para o segundo turno.

A matéria não fala que em outros estados, como Goiás e Santa Catarina, pesquisas de outros institutos também mostram Bolsonaro na frente de Lula.

Me chegou por uma fonte jornalística que nesta mesma pesquisa, o governador Ibaneis teria 46 de desaprovação contra 45 de aprovação! Não posso cravar estes números porque não tive acesso à pesquisa!

Também me foi informado que Ibaneis tem 27% de Ótimo/Bom; 29% de Ruim/Péssimo e 43% de Regular.

Estes índices, se confirmados, permitem uma análise de que o governador não pode ficar muito tranquilo para a disputa deste ano.

Nós, petistas, precisamos ficar atentos com a circulação seletiva de informações.

Todos conhecemos a revista Veja. O que nós não sabemos é com que intenção estas informações seletivas e parciais estão sendo divulgadas.

Como dizem os sábios populares: jabuti não sobe em árvores. Se tem um jabuti na árvore, ou foi enchente ou foi mão de gente.

Destaque

Partidos da base se rebelam contra Flávia Arruda e pedem sua demissão

O ano terminou em clima de insatisfação no grupo de WhatsApp dos líderes partidários da Câmara dos Deputados, e o motivo das queixas é a ministra Flávia Arruda, da Secretaria de Governo.

Embora integrante do PL e ex-presidente da Comissão Mista de Orçamento, Arruda prometeu e não cumpriu compromissos nos últimos meses, segundo duas lideranças que integram o grupo. Para piorar, na última semana não atendeu o celular.

Isso irritou deputados como Hugo Motta, líder do Republicanos, partido que faz parte da base do governo Jair Bolsonaro. Em mensagem postada no grupo na semana passada, ele avisou aos colegas que, a partir de agora, defenderá a demissão da ministra e que o governo que não conte com ele, nem com seu partido. Motta foi o relator da PEC dos Precatórios na Câmara, que passou com uma vantagem de apenas quatro votos além do mínimo necessário no primeiro turno da votação.  

Ele não é o único insatisfeito. Sob reserva, outros dois deputados relataram o clima azedo, que contaminou até parlamentares do PL e do PP. Juntos, os partidos formam o tripé de sustentação do governo Bolsonaro no Congresso.

Há menos de um mês, Arruda foi cobrada pelo líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM), pela liberação de emendas num episódio em que o parlamentar ofendeu a ministra pelo telefone.

“Na minha bancada não tem um deputado satisfeito. Não é só questão de orçamento, mas também uma falta de respeito na relação com os deputados da base”, diz Hugo Motta (Republicanos-PB). “A gente quer um ministro que cumpra os acordos”.

Ele afirma que o governo passou meses prometendo resolver pedidos de parlamentares para nomeações nos estados e não entregou. Na reta final do ano, uma promessa não cumprida para liberar cerca de R$ 600 milhões para projetos patrocinados por parlamentares nos estados entornou o caldo. 

A verba seria enviada via investimentos voluntários do Ministério da Agricultura, mas o ano acabou e o dinheiro não foi empenhado (o que significa que nem a primeira fase do gasto público foi cumprida). Em outras palavras, a dívida não será paga.

A aliados, Flávia Arruda tem dito que a culpa é do Ministério da Economia, que deveria ter feito uma portaria liberando a verba, mas não fez. Um assessor de Paulo Guedes afirma, porém, que esse pedido nunca existiu.

“Quem pilotou o orçamento de 2021 foi ela e não viu isso?”, questiona outro deputado, sob reserva. Arruda presidiu a comissão que elaborou o orçamento de 2021 e deixou o comitê para assumir a vaga no Palácio do Planalto.

Agora Motta e outros líderes querem que Bolsonaro troque a ministra antes do previsto, o que deveria ocorrer somente em abril – como concorrerá na eleição deste ano, Arruda é obrigada a deixar o cargo. O mais provável hoje é que ela tente uma vaga para o Senado, pelo Distrito Federal.

Apesar da insatisfação de Motta, ele não pretende que a vaga seja entregue ao Republicanos. “Essa vaga é do PL”, diz ele.

Política do Cerrado com informações do jornal O Globo

Destaque

A decadência do Brasil no Jet-SKI de Bolsonaro

O estado brasileiro ruiu e não percebe quem não quer. A decadência está miseravelmente estampada na cena do mandatário pé descalço tomando sua cervejinha no bar, enquanto no nordeste brasileiro a Bahia afunda em calamidade pública pelas chuvas, com milhares de desabrigados e mortes.

A decadência provoca estupor quando se descobre que o Ministério da Defesa usa a verba destinada ao combate da Covid para comprar filé e picanha. A decadência é ainda cruelmente retratada até por um ministro do Supremo – o indicado do Messias, Nunes Marques – que do alto de seu posto reitera a condenação de uma mulher que furtou meros…chicletes. Em que País estamos vivendo atualmente? A que grau de imoralidade pública chegamos e como deixamos um mandatário nos levar tão baixo na condição humana?

O Brasil de hoje possui um número recorde de miseráveis passando fome. O desemprego, a inflação, os juros, o câmbio aumentam vertiginosamente enquanto a economia vai parando. As tragédias na Educação, na Cultura e no Meio Ambiente não são menores. A ministra dos Direitos HumanosDamares Alves, faz de tudo para não distribuir – como determinado pela Justiça – absorventes íntimos para mulheres de baixa renda, intensificando a humilhação social, e tenta postergar a entrega. O capitão Bolsonaro, enquanto isso, exibe-se na praia, curtindo a vida adoidado. Não achou suficiente os dias de lazer no seu Jet-SKI no Guarujá durante toda a semana que antecedeu o Natal e resolveu esticar agora em um paradisíaco resort no Sul maravilha, em Santa Catarina, para onde já foi descansar por pelo menos três vezes neste ano. Também pudera: sol, mar e cervejinha, quem não quer?

E agora, como não há nada de grave mesmo acontecendo, só volta ao batente em 03 de janeiro, porque ninguém é de ferro! Para vacinar crianças contra a Covid, como o mundo inteiro está fazendo e a Anvisa já deliberou, não há pressa. Ele mesmo disse que a quantidade de mortes de crianças pela Covid até aqui – mais de duas mil – não justificam essa rapidez na imunização. Seria adequado indagar ao presidente se ele teria essa mesma postura no caso de um filho dele. Provavelmente não. Mas o Messias “mito” Bolsonaro estará sempre certo nas suas deliberações, no entender das falanges de adoradores, não é mesmo? O negacionismo dessa turma aumenta com fervor enquanto o País vai à bancarrota.

Triste sina de um povo que fica a assistir ao seu presidente dançando o “funk da cadela” em iates pela costa enquanto a fome toma conta da maioria. Quando os brasileiros vão acordar?

Política do Cerrado com informações da revista Istoé

Destaque

Deputado bolsonarista Helio Negão é internado em Brasília

O deputado federal Hélio Lopes (PSL), aliado de primeira hora do presidente Jair Bolsonaro, está hospitalizado no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, após apresentar um quadro de embolia pulmonar na última sexta-feira. Após o fim de semana de exames e cuidados médicos, o parlamentar recebeu alta nesta segunda-feira.

“(…) tive embolia pulmonar na sexta, graças a Deus estou sem dor e recuperando bem no HFA, obrigado pela corrente positiva, pelas orações e rezas, vocês são maravilhosos!”, postou o parlamentar em suas redes sociais.

Nesta segunda-feira, o deputado postou nas redes sociais que recebeu alta do Hospital das Forças Armadas. 

—Depois de váriosexames descobriram que eu tive uma embolia pulmonar. Resumindo: depois de muita medicação e exames, recebi alta. Hoje, estou bem, muito bem, não sinto mais nenhuma dor. 

O HFA é vinculado ao Ministério da Defesa e atende a militares das Forças Armadas e seus dependentes. O deputado Hélio Lopes é Subtenente do Exército Brasileiro e por isso tem acesso ao Hospital das Forças Armadas. 

Lopes afirmou ainda que irá passar por uma série de exames para avaliar seu quadro de saúde. No sábado, durante cerimônia de declaração de guardas-marinha, no Rio de Janeiro, Bolsonaro colocou em dúvida a eficácia da vacinação como forma de prevenção contra a doença e, sem provas ou comprovação médica, levantou suspeitas de que seu aliado estaria internado com embolia por efeitos colaterais da vacina.

— Um caso que está sendo estudado agora. O deputado Hélio Lopes, meu irmão, está baixado no hospital, com embolia. Parece ser efeito colateral da vacina. Vamos aguardar a conclusão. Um médico, na semana passada, estava abalado porque um irmã dele tomou e estava com trombose no pé. Tem acontecido efeito colateral. Vocês já leram a bula dessas vacinas? Na Pfizer está escrito: não nós responsabilizamos por efeitos colaterais — disse o presidente.

Destaque

TRF-2 concede prisão domiciliar ao ex-governador Sérgio Cabral

A República das Bananas!

Decisão por unanimidade trata de um dos processos que Cabral responde. É a primeira decisão no âmbito do tribunal regional que pode abrir precedente para outras medidas semelhantes.

Assim como Antecipei que o STF tornaria obrigatório o passaporte da Vacina, vai mais uma: condenado a 400 anos de prisão por corrupção na  saúde do governo do Rio de Janeiro,  a Segunda Turma do STF de Gilmar Mendes, Cássio Nunes e Ricardo Lewandowski, já preparou a carta de impunidade de Sérgio Cabral.

Está tudo pronto para revogar a prisão do ladrão que roubou a saúde carioca, e crime contra a saúde é crime contra a humanidade. O ex-governador permanece preso por outros processos

Enquanto isso, o cara que foi pego pela polícia com um cigarro de maconha na periferia, mofa na masmorra chamada Papuda.

E isso por que, há na masmorra um surto violento de tuberculose e hanseníase (lepra) entre os presos.

Destaque

Reguffe no PDT? Vem aí uma nova chapa na disputa ao GDF

O senador Reguffe está a caminho do PDT e formará a chapa com Reginaldo Veras para deputado Federal, Joe Valle senador, Wasny de Roure distrital.

Reguffe ocupa o cargo de senador da república atualmente. Ele está participando das reuniões para alçar a sua campanha para o GDF e em visitas as cidades do DF ele ainda está frio em relação a um candidato que vai concorrer ao GDF.

Segundo dizem informações não oficiais o senador ocupa a quinta posição para o cargo de governador, porem só tem uma vaga e muito concorrida.

Com a proximidade do fim do mandato, o senador José Antônio Reguffe (Podemos) volta a ter o nome especulado para também compor uma frente distrital para disputar o Palácio do Buriti. Oficialmente, o congressista não confirma — mas também não descarta — ser uma das cartas da manga para a oposição ao governador Ibaneis no próximo ano.

Como a entrada do presidente Bolsonaro no PL a Deputada Federal Flávia Arruda é uma possível candidata com chances reais de vencer o pleito.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do Política do Cerrado: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Destaque

Ao lado de Costa Neto, Flavio Bolsonaro causa saia-justa no PL ao tratar Lula como ‘ex-presidiário’

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) causou uma saia-justa com o PL nesta terça-feira (30) no evento em que ele e o pai, o presidente Jair Bolsonaro, se filiaram ao partido.

Ao discursar, Flávio Bolsonaro se referiu ao petista Luiz Inácio Lula da Silva, adversário de Bolsonaro, como “ex-presidiário”.

Só que ele estava ao lado do presidente do PL, Valdemar Costa Neto, que também já foi preso. Costa Neto foi condenado no escândalo do mensalão.

“Ainda querem nos fazer crer que um ex-presidiário, preso por roubar o povo brasileiro, estará à frente”, disse Flávio Bolsonaro, numa referência a Lula.

Ao blog, um dirigente do PL ressaltou que, além do constrangimento, esse discurso fragiliza a própria campanha à reeleição de Bolsonaro.

“Quem entra em casa nova precisa respeitar o anfitrião”, disse ao blog esse dirigente do PL.

Um integrante do PP presente ao evento ressaltou o mesmo problema no discurso do filho de Bolsonaro e lembrou que, diferente do próprio PP, que renovou as lideranças depois de escândalos envolvendo o então presidente do partido, ex-deputado Pedro Corrêa, e o ex-líder da bancada José Janene, ambos presos, o PL sempre manteve Valdemar Costa Neto como principal cacique.

“Já que Bolsonaro optou pelo PL, terá que modelar o discurso para que esses ataques não se voltem contra ele. Não dá para criticar ex-presidiário sendo comandado por alguém que passou pela mesma experiência”, completou esse integrante do PP.

Destaque

Sara Winter: recebi ‘orientações’ de Heleno para atacar o STF; general nega

A ex – bolsonarista Sara Geromini, mais conhecida como Sara Winter implodiu o governo.

Em entrevista concedida à jornalista Mônica Bergamo diz ter se arrependido do voto em Bolsonaro e tem a consciência pesada por ter perdido amizades por causa do presidente e que jamais vai gritar nas ruas “mito, mito”.

Relata os momentos de pânico que viveu na prisão e afirma que após ser solta foi abandonada pelo clã presidencial.

Se diz absolutamente arrependida em ter criado o “O Grupo dos 300”

Sara relata o mais grave da bombástica entrevista:  confessa que as ordens para invadir o STF e Congresso Nacional eram dadas de dentro do Palácio do Planalto.

O mentor do plano macabro contra a democracia era o general Heleno que coordenava tudo de sua sala.

Quem mais incentivava os ataques ao STF e ao Congresso era o próprio   presidente Bolsonaro.

O Presidente sempre dizia a Sara que ao ser invadido o STF ele tinha um grupo de ministros que seria alvo de violência do grupo, sem, contudo, citar quais seriam os ministros.

Ainda de acordo com Sara Winter, os “leões” das redes sociais do presidente são os filhos Carlos e Eduardo Bolsonaro.

Detonou as deputadas Carla Zambelli e Bia Kicis, além do deputado Daniel Silveira.

Confessa ter medo da direita e da esquerda.

Garante que as milícias do Rio de Janeiro estão sim dentro do Palácio do Planalto.

E por fim diz que vai embora do país por medo de morrer, mas que concederá uma entrevista à imprensa arrasadora sobre o governo.

E para complicar o inferno astral de Bolsonaro, o site The Intercept publica uma entrevista concedida pelo o deputado federal e delegado de polícia Dr. Waldir afirmando que a eleição de Arthur Lira à Presidência da Câmara Federal foi fruto de corrupção bancada pelo Orçamento Secreto.

Gravíssimo o que está posto à tona.

Brasília será e seus roteiros para os filmes de  Hollywood.

Destaque

Ibaneis: salário de R$14 mil dos secretários do DF é vergonhoso

Acorda Brasília!

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, disse nesta terça-feira (3) que os secretários da capital ganham pouco. Ele afirmou que a maior parte dos secretários trabalham por amor porque recebem a “mísera quantia de R$ 14 mil”. O valor ainda foi classificado como vergonhoso por Ibaneis, que por isso promete discutir a reestruturação do secretariado do Distrito Federal no próximo ano.

O governador Ibaneis Rocha vai propor um aumento salarial a administradores e secretários do GDF agora à tarde.

Argumento: precisa melhorar o rendimento dos bons profissionais do GDF.

Em média será um aumento de R$ 2.700 por reunião como conselheiro do órgão dos quais dirige.

E ontem à tarde Ibaneis sofreu críticas até de deputados de apoio ao governo na CLDF.

Ibaneis queria aprovar R$ 186 milhões para as empresas de ônibus com suas latas velhas.

A discussão deste milionário repasse não passou na CLDF ontem. Ficou para a sessão de hoje à tarde.

Conforme um parlamentar de oposição, se o repasse houvesse sido aprovado, as empresas de ônibus em apenas três meses já teriam embolsado do GDF R$ 486 milhões. (Não vão nunca falência)

E sabem quem foi a CLDF defender os empresários? O próprio secretário de transportes. Estranho?

E aproveitando: Quem é o deputado distrital que está construindo uma casa à beira mar, e o engenheiro e mestre de obras são pagos com recursos da CLDF? Grave!

Tem escândalo a caminho…

Destaque

Moro e o discurso de um estadista: quero o brasil para os brasileiros

Promete.

Se concorrer, Moro, 49, também enfrentará o presidente Jair Bolsonaro, a quem ele serviu como ministro da Justiça antes de renunciar em abril de 2020, alegando que Bolsonaro havia interferido nas investigações da Polícia Federal para proteger familiares — algo negado por Bolsonaro.

Para um renomado cientista político de Brasília a candidatura de Sérgio Moro vai tirar Lula da zona de conforto rapidamente e jogar Bolsonaro no ostracismo.

O cientista avalia ainda que desde criança se escuta falar na divisão do Brasil.

Chegou a hora.  Na avaliação do profissional, o discurso de Moro foi altamente positivo junto à nação.

Moro afirmou a plebeia que voltou dos EUA para construir um projeto de país.

E soltou frases de efeitos imediatos como: “chega de mensalão, chega de rachadinha, chega de Orçamento Secreto”.

Após o discurso em cinco minutos Moro ultrapassou Ciro Gomes e encostou em Bolsonaro nas pesquisas.

Ainda segundo o analista, Moro conhece como poucos o Código Penal, veste a roupa da elite decepcionada com Bolsonaro.

Bate duro no Titanic que afunda.

Bolsonaro errou em se apoiar em Edir Macedo e Silas Malafaia e renegar o catolicismo.

Não foi à toa que Bolsonaro recebeu vaias em plena uma missa em Aparecida.

Moro será o presidente do Brasil em 2.022, e usará a caneta da lei logo nos primeiros dias de governo para agradar a sociedade.

Um perigo para a divisão do país da impunidade.

E por fim faz uma comparação com a política do DF: O senador pelo DF era para ser Hélio José e não a Leila do Vôlei.

Hélio fazia um bom trabalho, mas começou a escorregar nas cascas de bananas colocadas por Rollemberg nas colunas de jornais.

Ficou com medo e confundiu a cabeça do eleitor. Resultado nem como suplente de deputado ficou.

A mesma coisa acontece com Bolsonaro; o Brasil ainda é um pais católico e Bolsonaro erra em viver acompanhado de Silas Malafaia.

E a grande decepção do eleitorado vai pesar em 2.022: Bolsonaro prometeu ao povo combate à corrupção, e se atrelou ao Centrão da Lava Jato.

E a mulher de Moro deu a deixa do projeto político:  “Estamos bem orientados (EUA), não temos medo de nada”.

O Titanic Bolsonaro afundou!

Destaque

Para poucos: O que você acha de um cargo vitalício no Senador Federal?

Para blindar Bolsonaro, Centrão estaria articulando mandato vitalício no Senado. Manobra estaria sendo desenhada, segundo o G1, por meio de uma PEC o que oferece o cargo a todos os ex-presidentes.

Tome nota!

O dinheiro público é mesmo uma farra sem limites no país da impunidade 

Já que é dada como certa a derrota do presidente Bolsonaro em 2.022 – algumas pessoas próximas ao clã presidencial dizem que ele não será candidato a reeleição, e já está decidido.

E no tenebroso mundo das fofocas da capital há muita fumaça no ar e onde há fumaça há fogo, de que o caminho de Bolsonaro não é o de Compostela, o famigerado Centrão para blindar e dar foro privilegiado a Bolsonaro a partir de 2.022, vai entrar com uma PEC criando o cargo de “senador vitalício”.

Como Brasília e terra de ninguém mesmo, ficaria com o quarto senador da República. 

Uma pérola   uma proposta dessa para um Congresso Nacional totalmente superlotado de víboras do dinheiro público.

Um absurdo !!

Destaque

Alcolumbre praticava “rachadinha”, revela revista

Chibata! – Seis ex-funcionárias denunciam o caso. Algumas delas chegavam a ter salários de R$ 14 mil, mas tinham de devolver mais de 90% deste valor.  

A revista Veja desta semana traz duas páginas “exclusivas” dos negócios não republicanos do senador Davi Alcolumbre.

Tal reportagem, me faz recordar um episódio de quando trabalhei no Senado.

Ao sair do gabinete com o senador para acompanha-lo ao plenário, nos deparamos com uma pessoa uniformizada como um trabalhador de serviços gerais.

Assim que vi o “trabalhador”, o reconheci: era um agente da federal disfarçado.

Alertei o senador para o fato.

No gabinete em frente ao nosso pertencia a uma agremiação envolvida com a Lava Jato (Não era o PT)

No gabinete que trabalhava, tinha um sujeito por nome Arruela, que falava pelos cotovelos e também conhecia o agente da federal.

Na lata ele foi logo falando: “Te conheço, você é cana da federal”

Quase o Arruela joga uma investigação por terra.

O agente da federal me esperou lá fora e pediu: “bicho traz o teu colega aqui que vou meter algemas neste FDM”. 

Uma semana depois do incidente houve busca e apreensão no gabinete da legenda.

No Senado as paredes têm ouvidos perigosos.

Outro dia passei pelo senador Alcolumbre e brinquei: Acorda senador!

Ele riu! 

Agora deve estar lembrando do “Acorda senador”, a reportagem é devastadora.

Destaque

CPI: As milícias dominaram os hospitais públicos do Rio de Janeiro

Totalmente dominado.

O relatório final da CPI da Pandemia vai revelar algo extremamente grave.

As milícias dominaram os hospitais públicos do Rio de Janeiro.

Segundo a PF informou à CPI; se uma pessoa sofre um grave acidente e corre risco de morte, só recebe os cuidados médicos se pagar primeiro aos milicianos que ficam de plantão nos hospitais.

Caso a família não tenha recursos para negociar com a milícia o atendimento de urgência não é realizado, e a pessoa morre à mingua em uma maca.

Ainda de acordo com as investigações só recebe remédio do SUS quem paga uma taxa mensal aos milicianos.

Gravíssimo.

O estado bandido dominou totalmente o Estado de direito.

Destaque

Vice primeira dama do Brasil visita a Cidade Estrutural – DF

Nesta terça-feira, (12) dia das Crianças a vice-primeira-dama do Brasil, Paula Mourão, advogada esposa do general Hamiton Mourão, vice-presidente da república, visitou a Cidade Estrutural – DF, a convite da ONG Fênix Brasil, ela foi direto a sede da ONG que trabalha com mulheres vítimas de violência doméstica.

A primeira dama foi recebida por mais de cem famílias moradoras da cidade que foram prestigiar a ilustre visita e são assistidas pela a ONG Fênix, ela cumprimentou as participantes do evento, pousou para fotos e conheceu de perto os problemas sociais da comunidade, logo em seguida foram distribuídas mais de cem quites com doces para as crianças que acompanhavam as suas mães e esperavam este momento com muita alegria.

Muita alegria e euforia tomou de conta das famílias na hora de receber os deliciosos doces que foram ofertados pela a equipe da vice-presidente da república em seguida foram convidados por Luciene Alves para conhecer as instalações da ONG Fenix.

De acordo com Luciene Alves, esse dia é muito esperado por todas as famílias devido a situação financeira de cada um; “é uma forma de acolher, de levar um pouco de carinho, de proporcionar um momento especial para esses pequenos”, disse ela.

Com a pandemia e ausência das aulas presenciais, com a falta de convívio com os amigos e familiares as crianças aproveitam o momento para correr, comer algodão doce e se divertir com os amiguinhos.

A vice-primeira-dama Paula Mourão, agradeceu a calorosa recepção e prometeu ver com bons olhos essas famílias assistidas por esta instituição.  

Também participaram da agenda, Ana Paula Neves, Jornalista e apresentadora do programa de TV “Mulher Capital Brasília” e o cabo Carlos Victor Fernandes Vitório, coordenador da Associação dos Praças e Reservista das Forças Armadas – Caserna.

Participe dessa rede de solidariedade e seja um doador da ONG | Fênix Brasil. 

Endereço: Quadra 03, conjunto 02, casa 05. Setor Leste – Cidade Estrutural – DF. Informações: WhatsApp61 99446-6420

Destaque

Pandora Papers revela offshores de sócios da Prevent Senior, MRV, Riachuelo e outras 17 das maiores empresas do Brasil

Cruzamento de informações com dados da Receita Federal brasileira apontam que acionistas de 20 das 500 empresas que mais empregam no Brasil têm contas em paraísos fiscais.

Nitroglicerina!

Se o vulcão na Ilha La Palma, o Cumbre Vieja, continua representando um perigo para as costas Nordeste e Norte do Brasil, uma série de reportagens denominada Paper Pandora (Papel de Pandora), vai abalar o Brasil.

A reportagem que durou um ano de investigação revela offshore de sócios das emprssas Prevent Senior, MRV, Riachuelo  e outras 17 das maiores empresas do Brasil.

Os offshores estão localizados nas Ilhas Britânicas.

A investigação jornalística foi organizada pelo Consórcio Internacional de Jornistas Investigativos ICIJ na (sigla em inglês).

Fazem parte desta investigação os seguintes veículos: Washington Post, Le Monde, El País, The Gurdian e BBC e no Brasil o site Agência Pública, Revista Piauí, site Poder 360 e o site Metrópoles.

Autoridades brasileiras aparecem nas investigações: O ministro da Economia Paulo Guedes (Paulo Guedes ganhou R$ 14 milhões semente com o último   aumento do dólar), presidente do Banco Central e o presidente do BRB estão no olho do furacão do escândalo.

150 jornalistas participaram das investigações.

Offshore são empresas criadas em paraísos fiscais com  interesses entre os que; vão desse o medo de crises econômicas, sonegação tributária e medo se confisco de bens.

O bicho vai pegar. Leia a íntegra da matéria clicando aqui

Destaque

Lula em Brasília: agenda cheia com os algozes de Dilma Rousseff

Vale tudo, vale o que vier….

O ex -presidente Lula, chega ao DF na próxima  segunda-feira (04/10) à  noite.

Vem a capital fazer uma série de encontros políticos para tentar voltar ao poder.

Até aí, tudo bem.

Na quarta-feira (06/10), Lula vai jantar no Lago Sul, na casa do

ex – senador Eunicio de  Oliveira.

Convidados para o jantar: Renan Calheiros, Veneziano Vital do Rêgo, José Sarney e Romero Jucá.

O jantar terá um convidado especial: O governador do DF, Ibaneis Rocha a pedido do próprio Lula.

Ibaneis é o menino dos sonhos de Lula na chapa a ser formada para 2.022 como vice-presidente da República.

Por tudo que se viu recentemente na política   nacional, o jantar deve ser à base de traíra com espinha.

É bom tomar cuidado para ninguém não se engasgar.

Destaque

Prevent Senior: O Brasil está vivendo o quarto Reich – Assassinato em massa

Assassinato em massa.

Pelo o que a advogada Bruna Morato está relatando à CPI da Pandemia com provas documentais no Senado, o mundo está diante de um novo holocausto.

Estamos vivendo o quarto Reich.

É muito grave a denúncia que o chamado gabinete do ódio impediu várias fiscalizações na Prevent Senior quando estavam morrendo as pessoas da terceira idade a granel com Covid 19.

E o que é pior: colocavam pessoas com o novo

Coronavírus no mesmo ambiente de pessoas com outras doenças, e elas contraiam também Covid 19 e vinham a óbito.

É o genocídio do século XXI. É preciso uma apuração rigorosa dos fatos.

Vidas não são números frios. Vidas são um dom de Deus.

Vidas quando os sopros das velas apagam não voltam nunca mais.

Claramente se rasgou o Código Nuremberg e o juramento de Hipócrates. 

E o mais macabro: Quando era excessivo o número de mortes por Covid 19 na Prevent Senior, os médicos eram obrigados a cantar com a mão no peito –   “o Hino dos Guardiões”, uma apologia ao nazismo.

Destaque

Jaime Recena, ex-secretário do GDF, está internado com Covid-19

O ex-secretário de Turismo do Distrito Federal Jaime Recena está internado em um hospital particular da Asa Norte com 50% do pulmão comprometido em consequência da Covid-19. Segundo a família, Recena não precisou ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas está sozinho em um quarto da unidade hospitalar desde a tarde de sexta-feira (24). Neste sábado (25), a saturação de aluno apresentará uma melhora.

De acordo com a família, Recena sempre foi cuidadoso em relação ao vírus, fazendo o uso de máscara e evitando aglomeração. Ele já tomou a primeira dose contra um Covid. Jaime Recena foi secretário de Turismo do DF. Também foi presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes. Relaxamos com a medidas de segurança?

A Covid 19 está dando sinais que quer voltar ao DF com garra.

Nesta sexta-feira (24) o DF voltou a registrar 22 mortes pela doença e mais de mil novos casos por dia pelo terceiro dia consecutivo.

Está ligado o sinal vermelho na SES.

Taguatinga chegou a mil óbitos, Samambaia 785, Plano Piloto 707, Lago Norte 101, Sobradinho I 502, Gama 607, Paranoá 202, Planaltina 540 e Ceilândia 1.587, deixaram estás RAs em estado de alerta máximo.

E ontem a SES registrou um fato curioso na Esplanada: Vários servidores públicos testaram positivo ao chegar para trabalhar. Use máscara, lave as mãos e evite aglomeração, o vírus está de volta.

Destaque

Desabafo: “Revolta não trará meu filho de volta”

Sonhos que se apagam! Doeu!

Desabafo de um pai no enterro do filho morto em um latrocínio por causa de um celular em frente a uma escola na Ceilândia.

“Meu sonho era ser avó. Meu sonho era ver meu filho formado. Uma bala assassina de dois bandidos matou meu sonho. Matou meu filho. Ainda vi os bandidos atirando em meu filho, e ele caindo ao chão como um boneco. Dói muito. Minha vida também se foi.”

E em pensar que todos deputados federais estão fora de Brasília gastando dinheiro público à vontade sem a mínima preocupação com o povo.

Em 2022 dê o troco no voto.

Renove a Ilha da Fantasia

Você sabia que até uma passagem área de um filho de um parlamentar é paga com dinheiro público?

E vem aí uma crise sanitária tão ou mais grave que a pandemia.

A partir de segunda-feira (27) o Brasil para de produzir remédio para câncer por falta de dinheiro e isso vai afetar diretamente dois milhões de pessoas.

O dinheiro público vai todo para a Ilha da Fantasia. 

Destaque

Pobreza no Distrito Federal registra o maior aumento do país

O Distrito Federal foi a unidade da Federação que mais empobreceu entre o primeiro trimestre de 2019 e janeiro de 2021. Os dados são de estudo feito pelo economista Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre), que mostram que o percentual da população pobre aumentou em 24 das 27 unidades federativas no período analisado.

A pandemia da covid-19 é apontada como a maior causa do empobrecimento da população brasileira nesse período “Foi um grande choque no emprego e na renda das famílias, que foi mitigado, em grande parte de 2020, pelo auxílio emergencial. Mas, como não tivemos o auxílio no primeiro trimestre de 2021, com a economia ainda em recuperação, houve esse aumento da pobreza”, diz Daniel Duque.

No DF, o estudo registrou aumento de 7,9 pontos percentuais da pobreza, que passou de 12,9% para 20,8% da população. Já a extrema pobreza, cresceu 4,1 pontos, subindo de 3,2% para 7,3% dos habitantes. O Banco Mundial considera que alguém está em situação de pobreza quando tem uma renda de US$ 5,50 por dia — R$ 28,60, na cotação atual. Na extrema pobreza, a renda é de US$ 1,90 por dia (R$ 10,45).

O índice de crescimento da pobreza no DF foi bem superior ao de outras unidades da Federação, embora em muitas regiões a proporção de pobres na população local seja maior que na capital do país. Em todo o Brasil, a fatia de população pobre passou de 25,2% para 29,5% (veja quadro). O Correio procurou o Governo do Distrioto Federal, mas não teve retorno até o fechamento desta edição.

“Na pandemia, todos os centros urbanos mais ricos, como o DF, sofreram um grande impacto no mercado de trabalho. Nesses locais, um colchão de renda, como o do Bolsa Família, tem menor importância. A renda do trabalho é mais importante para os estados mais ricos do que para os mais pobres. Dessa forma, eles acabaram absorvendo quase que a totalidade do choque econômico da pandemia”, explica o autor do estudo.

“O DF foi uma das unidades mais afetadas pela covid-19, ao lado do Amazonas. Chegou a ser um dos epicentros da pandemia em alguns momentos, principalmente na virada do 4º trimestre de 2020 para 2021, de modo que isso afetou muito a geração de empregos e a economia como um todo, favorecendo esse aumento da pobreza e da pobreza extrema”, diz Duque.

Para o economista César Bergo, presidente do Conselho Regional de Economia, a alta da pobreza no Distrito Federal pode ser explicada, além da pandemia, pelas características da economia local. “O setor mais atingido foi o de serviços. No caso de Brasília, embora se tenha todo o aparato do setor público, houve uma redução dos serviços em função do home office, do isolamento. Essas pessoas geram renda para outras que não tinham uma ocupação, como, por exemplo, quem vendia quentinha, refrigerante, água, e, de uma hora para outra, viu desaparecer os clientes”, explica.

O fator migratório também contribui para o aumento mais elevado da pobreza no DF, segundo o economista. “A capital do país atrai muitas pessoas que enfrentam dificuldades nos estados e cidades de origem. Muitas delas vieram para cá e engordaram o número de pessoas no segmento de pobreza, mesmo com a ajuda do auxílio emergencial e outros programas”, frisa. Ele ressalta, ainda, que o DF é a unidade da Federação mais desigual do país.

SAIBA MAIS

  •  

Baixo crescimento

De acordo com o doutorando em economia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Benedito Salomão, o aumento da pobreza no país tem sido causado por uma série de fatores, mas, principalmente, pela incapacidade da economia brasileira de crescer e de gerar empregos. “O país vem apresentando taxas de crescimento modestas há 10 anos, sem gerar postos de trabalho suficientes”, diz. “Isso foi muito agravado pela pandemia e pela falta de políticas públicas assertivas do governo federal, que deveria coordenar esse processo”, afirma.

No caso do DF, diz o economista, o crescimento do número de pobres está relacionado a fatores “que, às vezes, se descolam do restante da realidade do país”, como a burocracia do funcionalismo e os serviços que são criados para atender essa estrutura. “Então, é natural que Brasília sofra mais do que o restante do país, porque falta maior dinamismo econômico privado por ausência de indústrias”, avalia.

População em situação de pobreza

Unidade da 1º trimestre Janeiro Variação da Federação de 2019 de 2021em pontos percentuais
DF12,9%20,8%7,9
RO27,8%31,0% 3,2
AC46,8%46,4%-0,4
AM46,7%49,7%3,0
RR38,6%45,0%6,4
PA45,9%45,9%0,0
AP51,4%55,9%4,5
TO35,7%35,7%0,0
MA53,1%54,9%1,8
PI41,1%46,4%5,3
CE41,5%44,3%2,8
RN37,2%40,7%3,5
PB41,2%45,2%4,0
PE41,3%45,3%4,0
AL46,6%47,5%0,9
SE42,4%46,8%4,4
BA42,2%42,9%0,7
MG21,5%23,5%2,0
ES22,4%27,6%5,2
RJ16,9%23,8%6,9
SP13,8%19,7%5,9
PR15,7%18,5%2,8
SC8,5%12,3%3,8
RS11,1%15,3%4,2
MS17,9%20,4%2,5
MT15,3%21,7%6,4
GO18,1%24,0%5,9

O drama de quem tem que viver nas ruas

Isolados, abandonados e silenciados. Lutando todos os dias contra a escassez de alimentos, higiene e direitos, a parcela da sociedade que vive em situação de rua ainda viu seus obstáculos triplicarem com a pandemia do novo coronavírus. Em todo o Brasil, 222 mil pessoas vivem em situação de rua. O dado, levantado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), indica um aumento de 140% no número de pessoas nessa condição, entre 2012 e março de 2020. Com a piora da situação econômica desde então, é provável que os números tenham crescido ainda mais.

No Distrito Federal, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) calcula que existam, ao menos, 2 mil pessoas vivendo nas ruas. Desse total, 152 são crianças, e 59, adolescentes. Os números podem ser maiores do que os estimados pela pasta, pois dependem de autodeclaração.

Em sua maioria homens, negros, com idade entre 18 e 49 anos, essas pessoas vivem não só driblando a fome, o frio, a falta de higiene básica e a violência urbana, como também tentam fugir de políticas de “limpeza social” que buscam camuflar uma classe que grita por ajuda, mesmo sem voz. Um dos casos mais emblemáticos ocorreu em 2017, quando, em pleno inverno, um grupo de moradores de rua foi acordado com jatos de água fria na Praça da Sé, no centro de São Paulo, durante a madrugada. Eles foram expulsos do local por uma empresa contratada pela prefeitura para cuidar da limpeza do espaço.

Segundo o Ipea, o Brasil não realiza contagem oficial da população em situação de rua em nível nacional. Por isso, torna-se difícil incluir adequadamente esse segmento nos “cenários de atenção pública” e no planejamento governamental em geral.

Em Brasília, à noite e pela manhã, quem passa pela Rodoviária do Plano Piloto ou pelo Setor Comercial Sul (SCS), por exemplo, encontra diversas pessoas nessa situação. Vivendo nas escadarias da SCS, Geane Rodrigues, explica, com um sorriso tímido, que a pandemia afetou não só sua vida financeira, como também sua saúde. “O que piorou (com a pandemia)? Achar um lugar pra ficar. Nem toda hora os meus colegas podiam ficar do meu lado para estar me segurando”, diz ela, que é epiléptica.

A epilepsia é uma doença neurológica que compromete a atividade do cérebro, os impulsos elétricos dos neurônios e os sinais químicos cerebrais, resultando em sintomas como convulsões, movimentos descontrolados do corpo ou alterações de comportamento. O tratamento da doença é feito com medicamentos que evitam as descargas elétricas cerebrais anormais e acompanhamento médico por, no mínimo, 10 anos. Sofrendo há anos com as crises constantes, Geane relata que, com a pandemia, seu suporte foi quase nulo.

A pandemia também trouxe muitos prejuízos para Paulo Henrique, que vive no Setor Comercial desde que perdeu o emprego, em 2020, por causa da pandemia. “É muito complicado, há muito preconceito. O pessoal olha pra gente atravessado e diz que todo mundo que está na rua é vagabundo.”

Na mesma região, o jovem Maicon vive com a mãe, Lili. Maicon afirma que tudo piorou com a pandemia. “Tudo, emprego, dinheiro.” A mãe, debilitada, complementa que ainda adoeceu nesse período, mas conseguiu amparo no Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), um núcleo público de assistência social que acolhe pessoas em situação de rua.

Indispensável para a proteção de quem vive em situação de rua, o Centro Pop é um espaço de referência para o convívio social e o desenvolvimento de relações de solidariedade, afetividade e respeito. Com a falta de recursos e investimentos governamentais, porém, estas instituições muitas vezes se sobrecarregam. “O Centro ajuda uns, mas a mim não ajudou nada. Tem que dormir um mês na fila para conseguir algum benefício”, lamenta Paulo Henrique. (Com Gabriela Chabalgoity)

Destaque

DF – Promoção de policiais para evitar violência no 7 de setembro

Camuflagem.

O governador Ibaneis Rocha foi comunicado ontem à tarde de que a PMDF deverá fornecer   cinco mil policiais para proteger o STF e a Ilha da Fantasia (Congresso Nacional) de ataques em 7 de setembro.

Ibaneis também tomou conhecimento que a promotoria militar do MPDFT vai estar na Esplanada filmando tudo.

A Gaeco em carros descaracterizados vai estar de olho nas mulheres dos PMs.

A Abin vai acompanhar com olhos de águia a ação de PMs de pelo menos seis estados que se preparam para vir ao manifesto.

A ordem é prender e expulsar da corporação quem for ao ato com o intuito de bagunçar.

O STF vai endurecer com os seguidores bolsonaristas. Nada de prisão temporária. As prisões serão preventivas.

Estranhamente o presidente Bolsonaro passou após o evento do dia do Soldado no SMU, depois de uma dura advertência do comandante do Exército, a defender a democracia e não o golpe.

De acordo com uma matéria do Estado de São Paulo –  Diante da ameaça de um quebra-quebra nas ruas de Brasília no dia 7 de setembro, data da manifestação bolsonarista, o governo do Distrito Federal decidiu liberar mais de R$ 10 milhões para conter a insatisfação da Polícia Militar, um dos alicerces do presidente Jair Bolsonaro. O valor será usado, neste ano, na abreviação do tempo de promoções de mais de 2,4 mil policiais que são os mais bem pagos do País. Um outro montante de menor valor, ainda sem previsão, será gasto no esquema de segurança.

O jogo vai ser duro, grosso e punitivo.

Destaque

Magela: “DF vive um desastre na Saúde”

Ex-deputado assume pré-candidatura ao Buriti em 2022

Ex-deputado distrital (1991/98) – presidiu a Câmara Legislativa no biênio 1995/96 – e ex-deputado federal por três legislaturas, Geraldo Magela (PT) quer voltar à cena política e, 2022 como candidato a governador. Ele tentou chegar ao Buriti pela primeira vez em 2002, mas perdeu no segundo turno para Joaquim Roriz. Em 2014 concorreu ao Senado e também não se elegeu. 

Nesta entrevista ao Brasília Capital, Magela aponta os erros da gestão Ibaneis Rocha (MDB), principalmente na área da Saúde – “o Iges-DF é um desastre”. Ele fala das articulações da oposição para voltar ao Buriti em 2023 e da pressão da militância petista para ter candidato próprio ao GDF para montar o palanque presidencial de Lula no Distrito Federal.

O momento político em Brasília  mostra muitas incertezas. Mas existe uma certeza: o PT terá candidato. Será você? – Nós ainda não temos esta certeza. Estamos num processo interno de debates e temos a convicção de que a militância do PT quer ter uma candidatura petista para ajudar em uma campanha do Lula. Mas ainda estamos dialogando internamente e com os outros partidos para tentar formar uma aliança, que pode acontecer tanto no primeiro quanto no segundo turno. Eu me coloquei à disposição do PT. A decisão será no final de outubro. 

Para quem conhece o PT, quando a militância quer…  – O PT  teve candidatura ao governo em todas as eleições  no DF. É natural que tendo uma militância aguerrida, apaixonada, disposta a lutar, como é a militância do PT, que é esta militância queira ter uma candidatura própria. Se a decisão fosse hoje, eu diria que aprovaríamos a candidatura própria. A militância quer formar um palanque forte um palanque leal ao Lula aqui. E isso facilita tendo uma candidatura petista.

Além disso, tem o aspecto de que muitos possíveis aliados não querem se juntar ao PT no primeiro turno… – Eu tenho certeza de que o PT hoje é o melhor aliado para qualquer partido, seja para receber apoio ou para dar apoio. O PT tem uma candidatura presidencial muito forte e uma militância que nenhum outro partido tem no DF. Então, ser aliado ao PT é muito bom. Agora, eu reconheço que nós precisamos fazer um enfrentamento contra esta rejeição que existe aqui ao PT. E, na minha avaliação, a melhor forma de fazer isso é ter uma candidatura própria. 

Aliados em 2022

Quem seriam esses possíveis aliados do PT no primeiro ou no segudo turno? – Estamos dialogando com todos os partidos. Eu mesmo já estive com várias lideranças de partidos. Estamos tentando formar uma frente para a eleição presidencial com o PSB, PSol e com o PC do B, e tem a possibilidade de ter o PROS e o PSD. Sabemos que o PDT tem uma candidatura a Presidente e que neste, momento, que a Rede está próxima desta candidatura do Ciro Gomes. Aqui no DF nós estamos abrindo diálogo. Temos que deixar pontes construídas para estarmos juntos ou no primeiro ou no segundo turno, porque é natural que a esquerda e a centro esquerda estejam juntas no processo político. 

Caso o PT venha a ter candidato próprio e este seja o Geraldo Magela, o que tem a propor para o DF vinte anos depois de ter disputado o Buriti pela primeira vez? – O candidato do PT, seja quem for, tem que ter algumas iniciativas imediatas. A primeira delas é desmontar o IGES-DF,  acabar com essa farsa, esse desastre que existe hoje na saúde pública. E é preciso fazer um projeto de pensar um desenvolvimento econômico sustentável para o DF, que dê a oportunidade para as pessoas terem emprego, terem salário e terem segurança. Hoje, infelizmente, estamos vendo um desastre na saúde pública, um desastre na gestão da educação, um desastre na gestão da segurança pública. Então é preciso fazer um programa de governo que mostre para a população que é possível fazer muito melhor do que está sendo feito. E o PT já fez isso. Na Saúde nós já fizemos muito melhor do que está sendo feito.

CPI do Iges

A Câmara Legislativa está debatendo a possibilidade de instalar uma CPI para investigar irregularidades no Iges-DF. Como ex-presidente daquela Casa, você acha que há espaço e clima para essa CPI? – Se os deputados e as deputadas distritais tiverem compromisso com a população, especialmente de dar a ela a oportunidade de ter uma saúde pública de boa qualidade, têm que instalar a CPI para ver o que tem de errado na gestão, o que houve de corrupção, e pensar num projeto que possa substituir esse desastre que é a saúde pública hoje. Mas, pelo controle que o governo tem sobre a maioria dos parlamentares, eu acredito que só haverá CPI se houver pressão da população.

O PT pretende mobilizar a população para fazer essa pressão? – O PT já está fazendo isso. Os nossos deputados Arlete Sampaio e Chico Vigilante estão trabalhando firmemente pela instalação da CPI. E nós temos um compromisso, junto com os partidos de esquerda (PDT, PSOL e Rede) de buscar a instalação dessa CPI. Vamos fazer pressão para que essa CPI exista, porque nós temos hoje no DF a pior gestão de toda a história na Saúde, embora tenhamos excelentes profissionais na área, mas a estrutura e a gestão são horríveis. Então, não basta apenas apurar as irregularidades, a corrupção. É preciso apurar a ausência, a incompetência e a irresponsabilidade  na gestão da Saúde do DF. 

O PT voltaria com programas como o Saúde em Casa e o Saúde da Família? – Sem dúvida. Eu acho que é obrigação de qualquer candidato a governador fazer um compromisso de executar a volta do Saúde de Casa, das Carretas da Saúde, e ter uma gestão que seja muito séria e competente, com a participação da sociedade. É muito importante a Saúde Pública ter o controle social da população, inclusive para ajudar a administrar. 

Servidores

Como capital da República, Brasília é, naturalmente, a cidade dos servidores públicos. O governo federal congelou os salários da categoria. Se eleito, o PT quebraria esse ciclo, retomando a valorização do servidor? – O servidor público tem que ser tratado como um bem essencial para a população. Ele é um servidor da população. Por isso precisa ser valorizado, ter carreiras profissionalizadas, bons salários e ser respeitados. É claro que tendo um Presidente da República como Lula e um governador do PT aqui, vai facilitar muito. Eu tenho essa esperança. E aí nós vamos voltar a ter uma política para o servidor público para que este servidor volte a prestar um excelente serviço para a população. 

Interstício

O atual governador anunciou algumas medidas que beneficiam a área de Segurança, diminuindo o interstício da PM e do Bombeiro e novos concursos para a Polícia Civil. É suficiente isso? – Isso é fundamental. É preciso prestigiar os profissionais da área da Segurança. Temos aqui as melhores polícias do Brasil. A Civil, a PM e o Corpo de Bombeiros são os melhores do País e precisam ser reconhecidos e valorizados. Mas isso é insuficiente. Se você for às ruas hoje, a população está dizendo que tem a sensação de insegurança em casa e nas ruas. Por isso é preciso adotar uma política de segurança pública comunitária, com a polícia perto da população. A segurança pública ela começa na vizinhança. Isso certamente nós vamos debater daqui até o ano que vem. O PT vai propor um projeto de segurança pública diferente do que existe hoje.

A propaganda oficial do GDF fala que o governo retomou e concluiu várias obras que estavam em andamento na gestão passada e lançou um grande pacote de novas obras. Você tem fiscalizado isso. Essas obras realmente estão saindo do papel, estão dentro do prazo e sem irregularidades? – Não estou fiscalizando ainda. O PT tem acompanhado, naturalmente, por meio dos seus parlamentares na Câmara Legislativa. Mas é preciso a gente falar uma coisa: tendo dinheiro, todo governo faz obras. O Agnelo fez obras, o Rollemberg fez obras, Ibaneis pode fazer obras, porque se houver recurso. Agora, é importante a gente ter claro que as obras têm que ter continuidade. Por exemplo: Vicente Pires, está tendo as suas obras de urbanização concluídas. Mas isso começou lá no governo do PT do Lula, com o Arruda aqui no Buriti. Eu era deputado federal e ajudei a trazer recursos. A Saída Norte começou com o Agnelo e só concluiu com Ibaneis. O PT, quando tiver um candidato ao governo, vai assumir o compromisso de dar sequência a todas as obras que foram iniciadas, de fazer obras que sejam necessárias para a população e vai fazer isso com muita seriedade, com muita honestidade, como fizemos no programa habitacional que eu coordenei. Mas nós precisamos ter um governo que cuide das pessoas, que garanta saúde, segurança e educação de boa qualidade. 

Privatização

Em 2018, Ibaneis prometeu não privatizar empresas públicas. Mas vendeu a CEB. Se o PT chegar ao Buriti tentará reverter esse processo? – O político tem que ter palavra. Infelizmente, quando um candidato a governador na campanha faz compromissos, e depois de eleito não honra, ele está – além de se desdizer, de se desmentir – fazendo com que a população não acredite nos políticos. É muito importante que o governador tenha palavras. Infelizmente, o atual governador, na campanha dizia que não ia privatizar e privatizou. Os serviços de energia elétrica que a CEB prestava precisavam melhorar, mas não vão melhorar com a privatização. Não há como uma empresa que tem como finalidade o lucro, prestar um bom serviço e cobrar um preço justo. Os preços da energia, das contas da energia vão aumentar e o serviço vai piorar. É claro que um governo do PT vai ter que analisar se é possível fazer a reestatização. Mas a privatização não vai dar certo, não deu certo em nenhum estado do país. Não vai dar certo aqui. A reestatização poderá ser feita quando estivermos no governo e analisarmos a situação real das finanças e da prestação de serviços que a atual empresa privatizada está fazendo. 

Também estão na mira de privatizações do GDF o metrô e a Caesb. O que acha de privatizar esses dois serviços? – Não vai melhorar em absolutamente nada e vai aumentar o custo. Nós sabemos que as privatizações que vinham sendo feitas nos governos antes do PT e agora que o Ibaneis está fazendo esse trabalho de privatização não vai melhorar para a população. Está errado e vai aumentar as contas. O que precisa é gestão. Eu tenho uma opinião que, quando o governo quer privatizar, ele tem dois objetivos: dar lucro para empresários, que normalmente são amigos  de quem governa, ou mostrar que não é competente para administrar, não tem capacidade para fazer gestão. Se tiver capacidade para fazer gestão, você tem condições de prestar um bom serviço com preços justos. É inadimissível uma greve no metrô de quatro meses em que o governo não tenha capacidade de resolver. Ou não é um governo democrático ou não é um governo competente. 

Pandemia

A pandemia trouxe um cenário de desemprego e desalento. Aumentou muito o número de pedintes nas ruas e nos semáforos. Muita gente dormindo debaixo de marquises. O que o governo poderia fazer para diminuir esse sofrimento das pessoas mais carentes? – Nós precisamos de um governo que pense nas pessoas. Governo que só pensa em obras, pode fazer muitas obras, mas as pessoas não ficam felizes. Precisamos de um governo que pense em trazer felicidade para as pessoas. Oportunidades de emprego, acesso à saúde, as pessoas viverem seguras e terem a oportunidade de ter lazer, diversão e esporte nas suas cidades e, principalmente, das pessoas terem esperança. Eu tenho andado pouco porque me vacinei há pouco tempo, mas eu tenho recebido muitas mensagens das pessoas desalentadas, sem esperança. E acho que é, infelizmente, a cara do atual governo. Este é o governo da desesperança, do desalento. Por isso, ao pensar para 2022, o PT vai ter que pensar em como resgatar a esperança, como trazer de novo a felicidade e a alegria para esse povo. Nós não precisamos ter pessoas vivendo nas ruas. Podemos ter uma política de acolhimento adequado para as pessoas que estão nas ruas e ao mesmo tempo ter uma política muito dura, muito severa de combate ao tráfico de drogas. Precisamos criar a esperança para as pessoas do Distrito Federal. Hoje não é isso que está acontecendo.

Educação

Fale um pouco da questão da educação. Eu acredito que a educação precisa ser libertadora, inclusiva e democrática. Nós precisamos pensar num projeto de educação onde as escolas sejam locais de transmissão de conhecimento, mas também sejam locais de cidadania, de construção de novos cidadãos e cidadãs. Nós precisamos pensar que a escola precisa acolher os estudantes, mas precisa também estar aberta para a comunidade. Eu tive um projeto que, quando o PT voltar ao governo, eu quero que possamos executar, que é abrir as escolas nos finais de semana para que  recebam a comunidade para a prática de esporte e lazer, cultura e convivência. Também precisamos fazer com que as escolas recebam as pessoas mais velhas para conviverem com os jovens, com as nossas crianças. Brasília vai ser um dos locais onde mais teremos idosos nos próximos anos, e nós precisamos ter uma política para acolher esses idosos. O PT vai fazer um programa de governo que dialogado com a população, com outros partidos, com a nossa militância, e vai apresentar um excelente projejto que traga de volta a felicidade do Brasil. 

E nessa escola ideal, como será feita a valorização do professor? – Eu disse no início da entrevista que todo servidor público  tem que ser valorizado, respeitado, especialmente os trabalhadores da educação – professores, administrativos etc. Porque, como eu disse, educação não é apenas transmissão de conhecimento, é sobretudo formação de cidadãos e cidadãs. E nós precisamos pensar em ter um projeto para valorizar os profissionais da educação, com bons salários, com respeito, gestão democrática, formação continuada. E certamente, para que eles sintam que o seu projeto de vida, que é educar, está sendo reconhecido pelo governo e pela população, isso dependerá de ter bons salários.

Fonte: Brasília Capital

Destaque

Anderson Torres: “Especulações me colocam como provável candidato”

O Brasil teve uma queda de 8% no número de homicídios em 2021, na comparação com 2020. A que se deve esse avanço? 
Nós assumimos o Ministério da Justiça e Segurança Pública no final do mês de abril deste ano, com uma missão bem clara do presidente Jair Bolsonaro: restabelecer a força de uma bandeira muito cara a ele, a segurança pública. Isso significa não só melhorar os índices de segurança em todo o país, mas também passa pela valorização dos profissionais da segurança pública no Brasil. Muito em breve, lançaremos um programa inédito para os profissionais da segurança pública – o Habite Seguro – que dará um apoio para que eles possam adquirir uma casa própria mais facilmente. 

Essa queda acentuada começa na sua chegada ao Ministério? O que foi feito de lá pra cá? 
É importante lembrar que nossa chegada ao ministério teve muito a ver com o trabalho que vínhamos realizando à frente da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal. Os números que atingimos em pouco mais de dois anos de gestão à frente da pasta local são históricos. Em 2019, alcançamos a menor taxa de homicídios dos últimos 35 anos e, quando isso parecia ser imbatível, em 2020 emplacamos a menor taxa em 41 anos. É simplesmente a menor desde que a série histórica começou a ser medida no DF. Em 2020, reduzimos o número de casos de feminicídio em cerca de 50%, índice que nenhum estado da federação conseguiu sequer se aproximar. Então, decidimos levar toda essa experiência de sucesso como secretário de Segurança Pública do DF para o MJSP. 

Como aplicou essa experiência no Ministério da Justiça? 
Minha palavra-chave para a correta condução da segurança pública no país é integração. Estamos equipando melhor todos os estados, ajudando com considerável aporte de recursos, promovendo parcerias e ampliando essa integração. Logo nos primeiros dias como ministro, minha primeira ação foi me reunir com o Colégio Nacional dos Secretários de Segurança Pública. Coloquei o ministério à disposição deles e pedi que fortalecêssemos a nossa integração, que trabalhássemos cada vez mais juntos. E eles não só receberam a mensagem, como colocaram a tropa nas ruas, em prol da melhoria da segurança pública em seus estados. 

E qual foi a estratégia adotada? 
Aprimorar a segurança pública passa por duas vertentes importantíssimas. Primeiro, temos que intensificar operações com resultados imediatos de repressão ao crime organizado, tráfico de drogas e afins, pois eles são, em boa parte, a origem de crimes menores. Porém, somente com esse tipo de ação, entramos naquele ciclo de “enxugar gelo”. Por isso, nossa segunda vertente é a de estruturar todo um arcabouço jurídico, logístico e operacional, para que os estados e o DF possam, cada vez mais, desempenhar melhor suas funções. 

E os resultados obtidos? 
Em apenas quatro meses de gestão, nossos números impressionam em todas as áreas de atuação do Ministério. A Secretaria de Operações Integradas (Seopi) já realizou onze complexas operações nesses quatro meses, com resultados fantásticos. Na operação Narco Brasil, por exemplo, que teve participação das 27 unidades da federação, nós apreendemos mais de 310 toneladas de maconha, cerca de 3 mil armas e chegamos à incrível marca de mais de nove mil e cem prisões. Na Operação Luz na Infância, tivemos a participação de cinco países e 18 estados. Essa coordenação permitiu que fizéssemos 90 prisões, sendo 42 no Brasil e 48 no exterior. Ainda na linha do combate à violência contra o menor e o adolescente, a operação Acalento efetuou 1.135 prisões e livrou quase 350 menores das garras desses malfeitores. 

Há outros pontos importantes? 
O repasse de recursos ajuda demais os estados a melhorarem seus níveis operacionais. Neste ano, nós já assinamos a liberação de cerca de R$ 700 milhões para todo o Brasil. Essa verba que se traduzirá em melhoria da qualidade da segurança pública para toda a população. A Polícia Rodoviária Federal vem batendo recordes históricos de apreensões. A Secretaria Nacional de Segurança Pública vem elaborando uma estratégia nacional de combate à violência doméstica, a ser lançada brevemente. Temos ações muito relevantes também na defesa do consumidor, no arquivo nacional, na capacitação dos servidores, no Cade. E, logicamente, temos dado um passo grande no que se refere ao braço “justiça” do ministério, valorizando a Secretaria Nacional de Justiça. 

No cenário nacional, o foco é o Rio de Janeiro? 
Eu costumo dizer que não há como se falar em segurança pública no Brasil sem se pensar no Rio de Janeiro. É um estado emblemático para todo o país, e sim, tem uma prioridade na nossa gestão. Nós nos reunimos com o governador Cláudio Castro, que se mostrou um grande parceiro para a construção de um acordo que nos permita lidar com a violência do estado de um modo não só pontual, mas principalmente estruturante. Muito em breve assinaremos um acordo de cooperação técnica amplo. Mas já temos tomado medidas importantes na região. Implantamos a Missão Redentor da Polícia Federal, permanente, e que está focada em atuar no Rio de Janeiro no combate e repressão aos crimes. Doamos viaturas blindadas da Polícia Rodoviária Federal para a Policia Civil do Rio de Janeiro. Estamos muito empenhados em dias melhores para a população do estado do Rio de Janeiro. 

A Região Norte está na contramão. Como conter o aumento da violência em Roraima e Amazonas, por exemplo? 
O Brasil é composto por muitos “Brasis”, e isso não é diferente quando se fala de segurança pública. É importante destacar que, primariamente, cabe a cada estado lidar com a sua segurança e a valorização de sua tropa. Entretanto, todos eles sabem que somos parceiros, que eles têm no MJSP um grande aliado para essa difícil tarefa diária. Certamente os estados que apresentarem pioras em seus índices receberão uma atenção especial para ajudar a sanar eventuais problemas pontuais. 

Notou alguma diferença na segurança pública do DF após sua ida ao ministério? 
A nossa proposta de segurança pública para o DF foi construída em cima de projetos sólidos e muita integração entre as forças de segurança. A decisão do governador Ibaneis de nomear o dr. Júlio Danilo, meu secretário-executivo à época, como meu sucessor, facilitou muito a continuidade. Note que até o momento, em dois anos e meio de gestão, o governador Ibaneis praticamente não enfrentou crises com a segurança pública. Ao contrário, teve somente resultados positivos. E eles seguem aparecendo. 

No inquérito sobre a live do presidente Bolsonaro, na qual ele atacou a urna eletrônica, o STF suspeita de propaganda eleitoral antecipada, pois o senhor seria candidato em 2022. O que tem a dizer sobre isso? 
Isso não faz o menor sentido. Minha participação foi totalmente técnica, e quem assistiu percebeu isso com certeza. Veja bem, a live durou mais de duas horas, você acha mesmo que, se eu quisesse fazer campanha política, participaria por apenas cinco minutos, lendo trechos de um relatório técnico? Não me parece uma propaganda muito eficaz… 

Seu nome é cotado para deputado federal e senador pelo DF. Quais são seus planos? 
O fato de eu ser brasiliense apaixonado pela minha cidade, por ter feito uma boa gestão à frente da SSPDF, e agora ser ministro do governo Bolsonaro naturalmente gera especulações que me colocam como um provável candidato. Inclusive meu nome tem sido especulado não só para deputado federal ou senador, alguns veículos e colunas me colocam até mesmo como candidato ao Buriti. A verdade é que tudo é muito prematuro. Como disse no início da entrevista, o presidente Bolsonaro me convocou para o Ministério da Justiça e Segurança Pública com uma missão, e é nisso que tenho me focado todos os dias. Fico muito feliz que, em apenas quatro meses, alguns resultados já estejam aparecendo, mas queremos muito mais. E eles virão, estou certo disso. 

Sua prioridade é o ministério, mas o senhor mantém vínculos com a política do DF… 
Como disse, sou brasiliense e apaixonado pela minha cidade. Além disso, tenho uma excelente relação com o governador Ibaneis e uma amizade de infância com a ministra Flávia Arruda. Isso certamente gera especulações no sentido de uma futura composição politica, com o objetivo de melhorar a vida da população do nosso querido “quadradinho”. 

Política do Cerrado com informações do Jornal Correio Braziliense. Entrevista a produzida por, Carlos Alexandre de Souza.

Destaque

Furacão a caminho: Coronel Marcos Antônio ex – comandante da PMDF

Furacão a caminho! 

O coronel Marcos Antônio Nunes, ex – comandante da PMDF, e presidente da Associação dos militares Estaduais do Brasil, incita PMs contra governadores.  

Em nota à imprensa, ele diz que as PMs é o ‘laço’ do Exército e “não está   sujeito a nenhum comando de governador” 

O coronel Nunes, acaba de rasgar a Constituição ao meio e jogar numa lata de lixo. 

O coronel Nunes está na reserva e foi eleito presidente da associação em abril de 2021. 

No final da nota, o militar do DF defende o estado de sítio em 7 de setembro. 

Coronel Nunes foi comandante da PMDF entre 2.016 e 2.018 no governo Rollemberg e é muito respeitado na tropa por ter fundado o Instituto Superior de Ciências Policiais o que confere ao PM do DF o título de bacharel em segurança pública e é um homem muito ligado a Abin, DGI da PCDF, e ao CIE (Centro de Inteligência do Exército). 

Já escuto sinais tenebrosos no chão da Esplanada. 

Destaque

Momento de muita tenção em Brasília devido ao 7 de setembro

Prenúncio de tempestade  

A Abin, bem como os serviços de Inteligências da Forças Armadas e PMDF, detectaram um movimento de rebelião em Brasília em 7 de setembro.  

Tal alerta da Abin levou as Forças Armadas a fazer neste domingo (21) uma reunião de emergência pra discutir a situação.  

A reunião deve ter demorado umas quatro horas. 

As inteligências das Forças Armadas, Abin e PM fizeram o mesmo relatório:  Vai ter cadáver  em 7 de setembro. 

Agora há pouco o governador do Maranhão, Flávio Dino, postou em uma rede social –  

Bolsonaro vai invadir, ou Congresso Nacional ou o STF em 7 de setembro”, alerta.  

Também agora há pouco o comandante da Rota de SP, é afastado por convocar PMs de folga a vir a Brasília protestar em favor de Bolsonaro e enfrentará PM do DF se necessário for. 

Grave, muito grave.  

Neste momento acontece em Brasília uma reunião entre governadores   pra discutir o dia 7 de setembro e o Exército entra de prontidão. 

Fontes revelam que  

$ilas Malafaia tem incentivado Bolsonaro a dar um golpe e decretar o Brasil como uma pátria evangélica. Gravíssimo! Se quiser ir a Esplanada, vã, é um direito Constitucional, mas um conselho: não leve crianças. 

A situação é extremamente tensa e grave 

Destaque

Ex-deputado Geraldo Magela PT- DF está na corrida ao Buriti

Resolução aprovada pelo PT-DF estabelece que na campanha de 2022 a tática local estará plenamente submetida à tática nacional e às orientações da direção nacional. O que isso significa? O partido seguirá aqui as alianças nacionais?

  • Significa que a eleição do Lula é a prioridade absoluta do Partido e que todas as nossas decisões no DF vão obedecer à está tática nacional. Não faremos nada aqui sem dialogar com Lula e com a direção nacional.

O PT-DF terá candidato ao governo ou aceitará apoiar outro concorrente?

  • O PT tem vários nomes que podem encabeçar uma chapa para o governo e outros que podem ser candidatos para o Senado. O PT vai oferecer estes nomes para análise dos partidos. O PT quer fazer uma aliança com partidos progressistas, que pode ser no primeiro ou no segundo turno. Não iremos para o debate com nenhuma imposição!

A resolução defende alianças com partidos de centro-esquerda. Com quais partidos, o PT aceita debater?

  • O que vai nortear as alianças no DF será o apoio ao Lula, em primeiro lugar. O nosso arco de alianças será determinado pelo apoio ao Lula. Mas vamos procurar todos os partidos da centro-esquerda e da esquerda que queiram derrotar a direita bolsonarista no DF.

O PT-DF aceitaria uma aliança com Ibaneis Rocha (MDB)?

  • O Ibaneis faz um governo com o receituário do governo Bolsonaro. Tem todas as semelhanças com o programa federal. Isso, por si só, dificultaria qualquer possibilidade de aliança eleitoral. O PT vai apresentar para a sociedade um programa absolutamente diferente do governo Ibaneis. E penso que o PT será o principal adversário de Ibaneis.

Muitos eleitores condenam atitudes do presidente Jair Bolsonaro, mas votarão na reeleição se o adversário for Lula. Acha que Lula fortalece Bolsonaro?

  • Lula é o maior adversário de Bolsonaro. Se alguém disser que vai votar no Bolsonaro porque não gosta do Lula, estará mentindo. Na verdade este eleitor é bolsominion. Na eleição de 2022 terão dois lados: um, de quem defende o fascismo e outro, de quem defende a democracia. Lula representa a democracia. O eleitor de centro, que defende a democracia, vai votar no Lula!

Acredita que Lula irá até o fim ou existe possibilidade de acabar apoiando outro candidato, como Fernando Haddad?

  • Não existe esta dúvida. Lula será o candidato de vários partidos para resgatar a paz e a prosperidade para o povo brasileiro! Nós queremos construir uma forte aliança com a sociedade brasileira para reconstruir o Brasil. E Lula é o melhor nome para a fazer isso. Quando chegar a outra eleição presidencial, em 2026, os diversos projetos de país vão entrar em disputa. Mas, em 2022, é eleger alguém que pode fazer esta transição do autoritarismo para a democracia! Que será Lula.

Matéria concedida ao Correio Brasiliense no caderno Cidade – Eixo Capital de domingo (15).

Destaque

Câmara: comissão aprova parecer favorável à implementação do distritão

Modelo acaba com as eleições proporcionais para deputados federais: passam a ser eleitos os candidatos mais votados por estado.

A Câmara dos deputados na Comissão Especial da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 125/11, acaba de aprovar o parecer da relatora, deputada Renata Abreu (Podemos/SP) que se aproveita de uma proposta legislativa sobre o calendário eleitoral de  2.022 para fazer mudanças  profundas no sistema eleitoral.

É aprovado o distritão e o fim do segundo turno das eleições presidenciais.Se você sonhava em ser parlamentar esqueça, com o distritão é  jogo de cartas marcadas.

Ainda serão votados destaques e matérias para que a PEC seja votada amanhã em plenário. A votação terminou em 22 X 11.

O texto estabelece o voto preferencial para presidente, governador e prefeito, e por consequência o fim do segundo turno.

O eleitor passa a escolher até cinco candidaturas de cargos do Executivo, que serão escalonados na hora do voto. As coligações voltam a ser permitidas e possibilita a criação de partidos regionais.

O distritão é o fim da proporcionalidade e o sonho de algum novato chegar ao Legislativo. O distritão zera a possibilidade de renovação do Legislativo.

Um absurdo o que o Arthur Lira está  fazendo.

A votação deve terminar na madrugada e está frio na Esplanada.

Destaque

Randolfe adverte: “ Quer tentar golpe, senhor presidente? É o crime que faltava para lhe colocarmos na cadeia”

A propósito do desfile de tanques de guerra agendado para esta terça-feira (10/08), dia em que o plenário da Câmara dos Deputados deve apreciar a PEC do Voto Impresso, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) fez um alerta ao presidente Jair Bolsonaro: “Quer tentar golpe, senhor presidente? É o crime que faltava para lhe colocarmos na cadeia”.

O tom do confronto subiu muito hoje no meio político e entre magistrados irritados com o desfile preparado por Bolsonaro. Está programado um comboio de veículos blindados, com tanques de guerra e lança-mísseis, numa espécie de demonstração de força militar.

O PSol entrou com Mandado de Segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar impedir o desfile militar durante a votação do voto impresso. 

Além do desfile militar, o deputado Eduardo Bolsonaro, filho 03, postou hoje nas redes sociais fotos ao lado do ex-presidente Donald Trump, que não aceitou o resultado das eleições americanas e tentou tomar o poder. “Estou do lado dos que não se curvam ao politicamente correto, trabalho na luta contra regimes autoritários evitando assim novas guerras. Estou do lado de homens de reputação ilibada e autoridade moral para andar de cabeça erguida nas ruas a qualquer tempo”, escreveu Eduardo Bolsonaro.

A homenagem a Trump também irritou o meio político, especialmente a oposição. “Enquanto o pai prepara um desfile ditatorial, o filho se encontra com o modelo de golpista que a familícia segue. Eduardo Bolsonaro posou com Trump e diz que eles estão em convergência de ideias. Será que Trump ensinou passo a passo de como fracassar em uma tentativa de golpe?”, postou a deputada Fernanda Melchionna (PSol-RS).

Bombando

A postagem de Randolfe Rodrigues causou grande repercussão no Twitter. O senador foi contundente: “Bolsonaro é contra a Constituição. Comete desvarios em série na sua fuga rumo à tirania e precisa ser parado pela lei que despreza. As instituições precisam reagir, pela sobrevivência da democracia e especialmente do nosso povo.”

Randolfe também provocou: “Colocar tanques na rua não é demonstrar força e sim covardia. Os tanques não são e sim de covardia”.

Política do Cerrado com informações do CB

Destaque

O clima está pegando fogo na CPI da Pandemia

A CPI da Pandemia vai endurecer o jogo.

Senadores reunidos agora acham que chegou a hora de endurecer o jogo.

Também acho que passou da hora. Ontem um pastor picareta, salafrário, usou o nome de Deus, com HC da impunidade do STF nas meias para gozar na cara de senadores.

Hoje um coronel do Exército, em nome da pátria mente também a CPI, e ele está totalmente   envolvido em picaretagens. Os caras usaram indevidamente o que tem de mais sagrado em um ser humano: Deus e a pátria para mentir, praticar corrupção e dor eterna às famílias.

Estes dois canalhas não devem deitar a cabeça em um travesseiro e dirimir em paz com 560 mil mortes pela gripezinha.

Estes dois estão preocupados em usurpar o dinheiro público, praticar corrupção e oferecer propina a servidores púbicos desonestos, mesmo que seja às custas da dor e de vidas interrompidas pela pandemia.

O Ministro Alexandre de Moraes do STF acolhe denúncia  contra o presidente Bolsonaro e inclui o presidente como investigado no inquérito das Fakes News. Moraes emite uma intimação e manda um oficial de justiça ao Ministério da Justiça para que o ministro Anderson Torres seja ouvido no STF e ainda manda que a PF intime e ouça em inquérito todos que estavam na live em que o presidente Bolsonaro realizou para mostrar as fraudes no sistema eleitoral e não mostrou – O bicho está pegando.

Racha – Comandante da Aeronáutica acaba de deixar o STF. Foi dizer aos ministros que a Aeronáutica não apoia golpe de Estado. É o primeiro racha nas Forças Armadas e um apoio importante ao STF em meio à crise política.

Destaque

Corrida pelo GDF ainda não tem candidatos definidos, mas novos nomes

Além dos de antigos ocupantes e ex-candidatos ao cargo estão entre as possibilidades

Pronome pessoal “nós” Estamos quase no fim do ano.

O cenário político para 2.022 começa a se desenhar.

Leila do Vôlei, Joe Valle, Paula Belmonte, Reguffe, Alírio, Eliana Pedrosa, Fraga, Rogério Rosso, Geraldo Magela, Rollemberg, Rafael Prudente, Flávia Arruda, Celina Leão, Fadi Faraj e Paulo Octávio são os atores e não coadjuvantes.

Estes nomes se mexem em reuniões no tabuleiro político de 2.022.

Nomes como o ex-senador Hélio José, Sgto Sansão, Leonardo Gross, Fábio  Félix, Eduardo Pedrosa (deputado) Iza do Itapoã  estão sendo falados em todas reuniões.

Vão ser disputados a tapa para fazerem parte do “nós “. Todas pesquisas que estão sendo feitas apontam que a Casa dos Horrores terá uma renovação histórica.  

E Ibaneis Rocha corre o risco de um xeque mate a lá nocaute. Já estamos no calor das eleições de 2.022. 

Espero que o eleitor tenha consciência do poder do voto.

Chega de parasitas no Parlamento e Palhaço no palácio.

Brasília merece respeito.

Destaque

Bolsonaro está refém do “centrão”. Mas o que é o “centrão”?

O grupo de deputados sem ideologia, a não ser o clientelismo, que conviveu sem sobressaltos com os governos de Fernando Henrique Cardoso e Lula mas derrubou o de Dilma, tomou o Palácio do Planalto esta semana.

A gosto de Deus….

O Centrão vai partir com gosto de gás a partir de terça-feira (04/08) para cima do governo Bolsonaro.

Os principais líderes, conhecidos por escândalos de corrupção, mas que vivem sob a égide da impunidade do STF, vão pôr em prática o ensinamento do 171 da fé: ” Ou dá ou desce”.

O Centrão quer a recriação do Ministério do Planejamento, as rédeas do Tesouro Nacional, o esvaziamento de Paulo Guedes, os Ministérios do Meio Ambiente e Turismo.

Ao impor o domínio do Tesouro Nacional, o Centrão vai direto para as tetas fartas do governo e colocar raposas com fome para tomar de conta do galinheiro.

O Brasil já conhece esse filme e já viu e reviu diversas vezes a película com a PF em ação.

Vai ser um escândalo de corrupção por hora.

Ontem na motociata em Presidente Prudente, uma figura emblemática do Poder não  fez parte da comitiva do imprudente presidente da República: O general  Heleno.

Mas tinha uma persoanlidade conhecida em Brasília amante do dinheiro público ao lado de Bolsonaro.

Segundo os babados no Palácio do Planalto, o Centrão já deu um wazari no velho general.

Nesta segunda (03) o STF soltará uma dura nota contra o governo Bolsonaro e a temperatura política sobe.

Ontem aquele famoso restaurante, point na Vila Planalto, estava lotado e a turma do  cafofo da Asa Norte atenta.

Destaque

A fome bate à porta de famílias no Recanto das Emas – DF

Sangue de barata! 

O Jornal Hoje desta quarta-feira (28) mostrou numa reportagem que duas mil famílias passam fome absoluta no Distrito Federal.  

De acordo com a reportagem, uma senhora do Recanto das Emas mostrou à repórter que há sete dias, ela e os filhos nem café da manhã tomam por que não tem dinheiro. 

O absurdo dos absurdos. 

Pois bem, senadores da CPI da Pandemia estão reunidos para avaliar se vão ao Rio de Janeiro ouvir o Sr. Carlos Witzel, o segundo homem mais rico do Brasil. 

Quanto custará tal atitude aos ostentadores do dinheiro público? 

A Ilha da Fantasia (Congresso Nacional) tá precisando do povo nas ruas pra retira -los do Parlamento com um pé na bunda. 

É falta de respeito com o dinheiro público. Ulysses Guimarães dizia que só uma coisa mete medo em político: O povo nas ruas. 

Tá passando da hora do povo ir às ruas para mostrar de onde emana todo poder.  Chega de tanto sangue de barata e a fome batendo à porta. Mas o Recanto das Emas tem seu brilho e está aniversariando com todos os problemas tenho certeza que quem mora na cidade tem orgulho de viver aqui. 

Graças a Deus e a um a ONG Fênix Brasil que está ajudando várias famílias do Recanto das Emas a “matarem a fome” a instituição atende a família da quadra 604 que está na foto da matéria. Mais uma família alimentada e menos fome.

Parabéns, Recanto das Emas pelos seus 28 anos! 

Destaque

Ciro Nogueira o velho da “velha política”

Que país é esse? 

Postei outro dia que você Iria ouvir falar muito em Brasília de Ciro Nogueira, e vai mesmo. 

No dia 20/02/20, à tarde a PGR (Procuradoria Geral da República) apresentou uma denúncia ao indigesto STF contra o senador Ciro Nogueira pelos supostos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 

A PF tinha feito uma operação de busca e apreensão nos endereços de Ciro Nogueira em sete endereços ligados ao senador: DF, Teresina e São Paulo. 

Alvo da operação – corrupção e lavagem de dinheiro. Nome da operação: Operação Compensação. 

O processo dorme no sacrário da impunidade STF cuja a chave está em poder de Gilmar Mendes. 

Pois bem, em 2.018 as ruas do país se encheram de esperança com a promessa de um cidadão, de que lutaria contra a corrupção. 

Oh glória! 

Mas promessas são promessas, e o povo logo esquece por esquecer de tudo. 

O suposto corrupto Ciro Nogueira, rapidamente transformou-se no arauto da honestidade, e por ter virado um homem honesto, será premiado e alçado ao pomposo cargo de ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro. 

E tem mais – A mina da corrupção, o Ministério do Trabalho será recriado por Bolsonaro. 

Tudo de volta como era antes, no Reino de Abrantes. 

Isso aqui é um país tão FDP que ontem a mãe de Ciro Nogueira estava nas boutiques da capital pra comprar o vestido mais caro às custas do erário. Será a nova senadora da República, é a suplente de Ciro.   

Só me resta gritar: “Minto, minto minto”. 

Destaque

Desumano: O Congresso Nacional ontem à noite deu uma facada nas costas do Brasil em uma votação simbólica

Desumano. Senado aprova, em votação simbólica, projeto que cria fundo público eleitoral.

O Congresso Nacional ontem à noite deu uma facada nas costas do Brasil em uma votação simbólica. (Votação simbólica leva no máximo três minutos para ser aprovada)

Os R$ 5,7 bilhões do Fundão dariam para imunizar totalmente mais de 84% dos brasileiros.

Bando de FDP, abutres e canalhas

Revolta e muito.

Tinha colocado na janela do apartamento em que resido uma bandeira do Brasil em homenagem aos atletas brasileiros nas Olimpíadas.

Depois da votação do Fundão recolhi a bandeira e vou torcer contra o Brasil.

Não dá para reverenciar um país que não respeita a cidadania, os mais pobres, a educação, saúde e segurança, mas que tem o Fundão para político mal caráter.

Hoje as ratazanas do dinheiro público vão comer churrasco e o povo? Amanheceu o dia com um aumento no preço da carne e do arroz de 17%.

Um absurdo!